Campeonato Pirelli de Veloterra pôde retornar ao Mac após quase dois anos

Um total de 167 pilotos, correndo em 19 categorias divididas por cilindradas das motos, disputou neste domingo, dia 9, em Montenegro, a 5º etapa do Campeonato Pirelli de Veloterra. Um evento que foi importante para o Vale do Caí, pois, além do desempenho dos pilotos locais, marcou a reabertura da pista do Mac – Montenegro Automóvel Clube.

A competição é uma organização da André Produções, empresa de Encantado que fomenta o motociclismo na terra por todo o Rio Grande do Sul. O proprietário André Tramontini da Costa destaca que Montenegro recebeu a segunda etapa disputada no Vale do Caí. A outra acontece no dia 2, em Pareci Novo. Agora o evento via viajar, com as 6ª etapa em Marques de Souza, todavia retorna à região não está descartado.

Até o fechamento da cobertura do Ibiá, montenegrino Alexandre Alarcon Jr. havia vencido em 3 das 4 categorias que lidera

“Agora só n final do ano, talvez, se as prefeituras quiserem”, observou, lembrando que a projeção é de 12 etapas ao longo de 2019. O retorno a Montenegro fio possível somente graças ao empenho voluntários de membros do Mac, que reagruparam forças para reabrir a pista e receber o Pirelli de Veloterra 2019, após quase dois anos de afastamento de eventos deste porte.

Chuca deixou terra macia, molhada, assim a pista pesada diminui os pegas

A pista foi elogiada por André Tramontini, sua equipe e pelos pilotos. Todavia, a 5º etapa trará dores aos competidores quando se lembrarem deste domingo. Isso porque a chuva que caiu na véspera deixou o excelente traçado em uma pista pesada. “Está cheia de buraco, canaletas. Está pesada! Chega a doer o braços”, descreveu o montenegrino Alex Alarcon Júnior, líder em quatro categorias (VX 1 Força Livre Importada, Quatro Tempos, Força Livre Nacional e Intermediária VX1). Mas nada que impedisse seu desempenho.

Habilidosa, Monique conseguiu levar a moto com problemas até o fim da 50 cc

Na Pirelli de Veloterra estão também os competidores das categorias 50 e 65 cilindradas, dentre os quais a montenegrina Monique da Silva, 9 anos. Única menina nesta etapa, ela correu contra meninos e, como era de se esperar, não tomou conhecimento deles.

Montenegrina Monique da Silva lidera a 50 cc-B em quatro competições estaduais

Isso porque a filha do piloto Márcio da Silva é a líder Categoria 50 cc-B em quatro competições de Motocross e Veloterra de nível estadual. Liderança que manteve com o segundo lugar deste domingo. Aliás, posição que alcançou com muita garra, quase fundindo o motor da moto que começou a dar problemas; o que, aliás, deixou a menina um pouco frustrada.

Bernardo estreou neste domingo no Veloterra, já direto na 65 cc

Outro montenegrino na pista foi Bernardo Esswein, de 9 anos, que na etapa de Montenegro fez sua estreia no esporte.

Pai Leandro, que também corre, é inspiração e o técnico de Bernardo

O pai, o também piloto Leandro Esswein, explica que o menino não teve base na 50 cc, apenas treinou e, devido a idade, entrou direto na categoria acima. “Um pouco nervoso”, balbuciou Bernardo através do capacete, antes da corrida. E o pequeno fez bonito na sua estreia, completando a prova e sem cair.

 

 

Deixe seu comentário