Técnicos da Agência e da concessionária da rodovia deram esperanças de que, em breve, haverá mais segurança para os moradores das margens da rodovia

Representantes das duas comunidades estiveram na ANTT ontem, acompanhados do presidente da Câmara

Os moradores das localidades de Rua Nova e Vendinha, que convivem diariamente com os perigos da travessia da BR-386, a chamada Tabaí-Canoas, terão um pouco de tranquilidade em breve. Os problemas foram discutidos nesta sexta, durante reunião na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), em Porto Alegre.

O encontro contou com a presença dos representantes da comunidade de Vendinha, Décio Pereira dos Santos, e de Rua Nova, Maria Erotildes Rambor. Também participou o presidente da Câmara de Vereadores, Cristiano Braatz (MDB). O grupo foi recebido pelos técnicos da ANTT Marcelo Caetano, Marisa Dagmar Tiefensee e Breno Correa da Silva Neto. Pela empresa CCR Via Sul, concessionária do trecho, participaram o administrador de contrato e faixa de domínio, Breno Ferreira Leal, e o gestor de atendimento, Fausto Camilloti.

Braatz começou falando do perigo enfrentado pelos moradores ao atravessar a faixa. Ele pediu a instalação de controladores de velocidade nestes dois pontos. Conforme Marcelo Caetano, o contrato de concessão da rodovia prevê a colocação de dois aparelhos. Inclusive, foi realizado um estudo, que está em análise pela Polícia Rodoviária Federal. A coordenadora Marisa Dagmar Tiefensee, porém, alertou que existe uma ordem presidencial que suspende a instalação de controladores de velocidade em rodovias federais. “De qualquer forma, todo o estudo está andando e vamos tentar instalar nos dois pontos em que estão sendo solicitados”, garantiu. Se tudo correr bem, estarão funcionando em três meses.

A moradora Maria Erotildes disse que, neste momento, qualquer intervenção que for realizada, em defesa da vida dos moradores que correm o risco diário, será bem recebida. Para o grupo, ficou evidente que a ANTT está preocupada com a realidade dos moradores. Inclusive, os técnicos apresentaram soluções de curto prazo, como uma sinalização ostensiva na rodovia, nestes dois pontos. “Podemos pedir para que a concessionária faça isso de maneira mais rápida”, completou Breno Correa. Ele pediu ainda ao presidente da Câmara que encaminhe esta solicitação em nome do legislativo montenegrino.

Os profissionais da Agência também farão um pedido à CCR Via Sul, para que a concessionária antecipe a construção de duas passarelas previstas para este trecho de Montenegro. Pelo documento, a empresa deve iniciar as obras a partir do quarto ano de operação, com entrega até o final do quinto. O vereador Cristiano disse que saiu da reunião otimista, já que os técnicos demonstraram total interesse em buscar alternativas viáveis e concretas com agilidade.

Deixe seu comentário