Presidente da Associação, Nelson Zanella, fez domingo uma despesca com 200 quilos de Carpas. Foto: Arquivo Pessoal

Páscoa. Venda nas propriedades terá tele-entrega e restrições de mercados

A Prefeitura de Montenegro autorizou a comercialização de peixe vivo na Semana Santa. A tradicional feira em praça pública foi cancelada pelo Decreto de Situação de Emergência do Covid-19. O que a Associação de Piscicultores de Montenegro, com apoio da Emater/RS-Ascar e da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural (SMDR), definiu, foi uma venda dentro das propriedades e junto a estabelecimentos.

Agricultores e clientes são orientados a seguir normas de prevenção à contaminação pelo coronavírus, especialmente evitando a aglomeração e reduzindo o contato entre as pessoas. Ao contrário de outros anos, a excepcionalidade da pandemia tira da venda de pescado o clima festivo que antecede a Páscoa. O diferencial em 2020 será a venda por tele-entrega ou agendamento para a retirada do produto.

A comercialização ocorrerá em nove pontos espalhados pelo município, nos dias 8 e 9, quarta e quinta-feira, a partir das 8h30min e ao longo de todo o dia. Na Sexta-feira Santa, dia 10, e se ainda houver oferta de peixe, a venda será apenas no turno da manhã. A decisão é um alento a este setor muito castigado pela estiagem. Açudes completamente secos provocaram mortandade de peixes nos últimos dias.

No último domingo, o presidente da Associação, Nelson Zanella, fez sua primeira despesca prevendo a feira desta Semana Santa. O agricultor aponta que as pessoas que farão as vendas nesta edição reduzida de 2020 são criadores que podem oferecer uma quantidade de peixes igual ao ano passado. “Porém, seu tamanho, em maioria, será menor”, alerta.


Emater orienta forma de comercialização neste ano
O extensionista e zootecnista da Emater Regional Lajeado, João Sampaio, salienta que as restrições devido ao novo coronavírus obrigam os piscicultores a trabalhar em consonância com as determinações dos órgãos oficiais.

As feiras deverão ser realizadas de forma segura, sem aglomeração e menor interação possível. “Deverão seguir as normas voltadas a estabelecimentos que comercializam itens de alimentação, o que evitará a exposição e os riscos”, salienta.

A preferência deve ser pela venda fracionada na taipa, por encomenda ou com baixo envolvimento de clientes e vendedores ao longo do dia. Outra ideia é a da retirada de poucos peixes a cada dia, sem secar os açudes, mantendo a produção em função da estiagem. A Inspetoria Veterinária realizará atendimento virtual para emissão da Guia de Transporte Animal (GTA) por meio do talão de produtor.

A Emater projeta que a comercialização de pescados nos dias que antecedem à Páscoa alcance 343 toneladas de Carpas e Tilápias nos vales do Caí e Taquari. É um número muito menor se comparado com 2019, quando mais de 520 toneladas foram ofertadas. Em 55 municípios serão mais de 250 pontos de comercialização dentro das propriedades, que juntos representarão volumo próximo aos R$ 3,4 milhões.

Covid-19 – a Emater/RS-Ascar orienta:
1 – Atendam os consumidores individualmente;
2 – Busquem a distância mínima de dois metros entre as pessoas;
3 – Solicitem aos consumidores que evitem aglomerações;
4 – Realizem as feiras em locais abertos e ventilados;
5 – Mantenham contato com a Secretaria de Saúde para levar orientações aos consumidores sobre cuidados em relação ao Coronavírus;
6 – Usem luvas e máscara, e lave as mãos com água e sabão, ou álcool gel, após cada cliente atendido;
7 – Disponibilizem álcool gel para todos os participantes.

Compartilhar

Deixe seu comentário