Foto aérea do incêndio registrado na manhã de ontem, às margens da ERS-124, próximo à entrada da Via II. Foto: Michael Oliveira|Majô Drones

PERIGO. Colocar fogo em lixo é crime. Mesmo assim, tem gente que passa por cima da determinação

Pelo menos três focos de incêndios foram registrados nessa segunda-feira, 26, às margens das rodovias ERS-124 e RSC-287, em Montenegro. A queima de lixo em áreas próximas à mata afeta a fauna e a flora da região, além de causar riscos para os motoristas, que transitam pelos locais, e aos cidadãos, que moram próximos a essas áreas. O Corpo de Bombeiros e a secretaria municipal de Meio Ambiente apelam para o bom senso das pessoas, para que não ateiem fogo em nenhum tipo de áreas. Quem não atender a esse pedido está sujeito a ser penalizado, por meio de multa.

Enquanto muitos comentam sobre as grande queimadas na Amazônia, poucos agem para evitar problemas causados por fogo em sua própria cidade. Guardadas as proporções, a agressão ao Meio Ambiente existe de igual forma.

Um tanque de água e cerca de meia hora de trabalho, foi o necessário para apagar o fogo que tomou conta de uma área, na ERS-124, próximo à entrada da Avenida Júlio Renner, a Via II, em Montenegro. O incêndio pode ser visto de longe, devido à grande quantidade de fumaça que espalhou.

Já na RSC-287 o primeiro registro de queimadas ocorreu na quinta-feira passada, 22, e ontem voltou a chamar à atenção. Dois focos foram percebidos a poucos metros da lombada eletrônica do bairro Cinco de Maio.

Conforme o Corpo de Bombeiros, em alguns casos, transeuntes colocam fogo em materiais como móveis e lixos que são abandonados nessas áreas. Nesta época do ano, há maior propensão ao alastramento das chamas, devido ao fato de a vegetação estar mais seca. Contudo, diferente do que ocorre nos meses de Verão, não há chance de as labaredas serem geradas de forma espontânea, pois as temperaturas não estão quentes o suficiente para que isso ocorra,

Ponto de queimada no bairro Cinco de Maio, na RSC-287

Durante o final de semana, os bombeiros também foram acionados para atender a um caso de queima de lixo no bairro Municipal. Situações assim vêm sendo comuns na cidade. Nessa mesma região, na tarde de ontem, quando se deslocava para os demais pontos queimados, a reportagem flagrou a queima de vegetação junto ao Arrio São Miguel, na rua Dr. Bruno de Andrade.

O secretário municipal de Meio Ambiente Adriano Chagas tomou conhecimento dos casos através do contato do Ibiá. Segundo ele, é difícil chegar ao autor desse tipo de crime sem que haja denúncia. “Em alguns casos a gente é informado, vai até o local e notifica o cidadão. A lei municipal proíbe qualquer tipo de queima, mas muita gente ainda tem esse hábito”, relata o secretário.

A notificação consiste em determinar a pessoa que acabe com o fogo imediatamente. Caso isso não seja atendido, aplica-se uma multa. Conforme o gestor do Meio Ambiente, até hoje nenhuma multa foi aplicada, pois não houve reincidentes. Portanto, ainda não há um valor claro de quanto deve ser a taxa.

Em relação aos locais atingidos, Adriano relata que quando se trata de área pública, o terreno é limpo e mudas de plantas colocadas para tentar recuperar a vegetação e inibir novas queimadas. O secretário informa que fará o registro fotográfico do local e, caso a área seja de responsabilidade do Município, serão tomadas medidas cabíveis para limpeza e recuperação.

Deixe seu comentário