Indicador leva em conta declarações de demissões e contratações feitas pelas empresas CRÉDITO – FOTO: ARQUIVO/JORNAL IBIÁ

Marca foi alcançada em outubro, segundo dados do Ministério da Economia

O mercado de trabalho em Montenegro chegou a outubro com saldo positivo. Na análise dos primeiros dez meses de 2020, e apesar da pandemia, as empresas locais abriram 97 novos postos de trabalho formal, com carteira assinada. O índice é calculado pela diferença entre o número de demitidos e o número de contratados; e foi divulgado pelo Ministério da Economia. Na comparação com anos anteriores , é o pior desempenho dos acumulados (de janeiro a outubro) desde 2016, mas no contexto das dificuldades impostas pelo novo coronavírus, é um indicador a ser comemorado.

Isso porque os números da geração de emprego nos meses anteriores eram de assustar. No fim do primeiro semestre, Montenegro amargava o acumulado de 500 postos de trabalho fechados, num reflexo das empresas que foram impedidas de funcionar ou que tiveram que reduzir atividades para conter a contaminação pelo coronavírus. Quase quatro mil pessoas foram desligadas e as contratações também caíram.

A recuperação efetiva só começou a partir de julho, período em que iniciaram as flexibilizações da Economia; seguiu com leve redução em setembro e acelerou em outubro, num contexto de contratações em antecipação ao fim do ano. O décimo mês de 2020, sozinho, registrou 620 demissões, mas 856 contratações, fechando num saldo positivo de 236 postos formais criados. Individualmente, é o melhor resultado para um mês de outubro, em Montenegro, pelo menos desde 2015.

CAUTELA
A notícia é positiva e melhor do que o que se verifica a nível estadual – o Rio Grande do Sul, como um todo, não chegou a recuperar nem 40% dos postos perdidos até outubro – mas ainda precisa ser vista com cautela. É que em outubro, Estado e Município vivem período de maiores flexibilizações e redução nos casos novos de coronavírus. E já não é o que se encontra de novembro em diante, tendo o governador Eduardo Leite, inclusive, determinado algumas novas restrições a alguns setores da Economia. A tendência, por enquanto, não é de ter novas perdas, mas a recuperação do mercado de trabalho deve, sim, desacelerar. Os números de novembro saem no fim do mês.

Setor do Comércio impulsionou a recuperação em outubro
Na análise por setores, o Comércio foi o principal empregador em Montenegro em outubro, com um saldo positivo de 118 postos criados. O principal segmento é dos supermercados, que gerou 82 empregos no mês, impulsionado pela inauguração da unidade do Mombach Supermercados no bairro Centenário, que abriu oficialmente no dia 23.

Na sequência, o setor da Construção Civil, que tinha sido bastante abalado nos meses mais críticos da pandemia, seguiu tendência de recuperação e abriu 69 novas vagas. Em ordem, foram destaque os segmentos de atuação em rodovias e ferrovias; montagem industrial; e instalações elétricas e hidráulicas.

O terceiro setor que mais empregou em Montenegro em outubro foi o de Prestação de Serviços, com 48 oportunidades criadas. O segmento dos restaurantes saiu na frente, com saldo de 17 postos abertos, seguido de atividades administrativas e de escritórios; da educação; e dos transportes.

Já a Indústria, principal setor empregador do Município, ficou em quarto, em outubro, em termo de novos postos gerados. O saldo das contratações menos as demissões fechou baixo, mas ainda positivo. Foram 14 vagas criadas. Os segmentos que mais geraram empregos no setor foram o de fabricação de produtos de plástico; e o de curtimento e preparação de couro. Mas houve impacto negativo, com demissões no segmento de abate de aves e no de fabricação de tratores e equipamentos agrícolas: os dominados, respectivamente, pela JBS e a John Deere.

O único setor que fechou outubro no negativo foi o da Agropecuária, com treze postos fechados. O segmento da pecuária foi o principal responsável pelo indicador.

Deixe seu comentário