Motocicleta de Paulo ficou entre os galhos, no meio da rodovia, após ele se chocar contra a árvore caída sobre o leito da rodovia

Fatalidade. Paulo Mariano Barcellos, 54 anos, colidiu em árvore caída na pista que também foi colhida por caminhão

Era por volta das 5h30min quando Priscila Maahs, 25 anos, e seu pai acordaram com a ventania que precedeu a chuva na madrugada de ontem. Os fortes ventos fizeram com que uma árvore caísse no quilômetro 27 da ERS-240, em Capela de Santana, em frente ao comércio que a família possui na localidade de Pareci Velho. Logo em seguida, a luz caiu e piorou a visibilidade dos motoristas que passavam pelo local. “Ligamos para a Polícia Rodoviária Estadual (PRE) e o policial informou que precisaria esperar um companheiro para vir”, lembrou. Uma ligação para a Brigada Militar de Capela de Santana também foi feita, mas estes agentes da segurança pública estavam atendendo ocorrência e não poderiam sinalizar o local.

Paulo Barcellos era de Montenegro foto: Reprodução/Facebook

Cerca de meia hora depois, o próximo telefonema da família foi para o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) na esperança de que o montenegrino Paulo Mariano Barcellos, 54 anos, ainda poderia ser salvo, o que não foi possível. Era por volta das 6h quando Paulo seguia com sua motocileta Yamaha YBR 125 com placas ILY-8332, de Montenegro, no sentido Capela de Santana-Montenegro e não viu a árvore na pista, atingindo-a. Poucos segundos depois, um caminhão com placas IMG-2944, de Ivoti, também colidiu contra a barreira e arrastou os galhos que estavam na pista, no meio dos quais Paulo havia caído. O motociclista não sobreviveu aos ferimentos. O caminhoneiro não se feriu.

“Eu gritei ‘moço, moço’. Quando fechei a boca veio o caminhão”, recordou Priscila. A moradora das margens da ERS-240 disse acreditar que o motociclista vinha em alta velocidade em razão do estouro que ouviu quando ele atingiu a árvore. Ela salientou ainda que o motorista do caminhão chegou a frear antes de se chocar com os galhos. Priscila destacou que os primeiros a sinalizarem o local foram três militares que seguiam em direção a São Leopoldo e, com uma lanterna, passaram a organizar o trânsito.

Caminhão que também atingiu a árvore caída teve danos no para-brisa

O motorista do caminhão, que pediu para não ser identificado, relatou que seguia de Ivoti para Brochier, onde faria a entrega de uma carga de lenha. Ele faz esse trajeto duas vezes por semana. De acordo com o homem de 47 anos, chovia no momento do acidente e, com a luz baixa, foi impossível visualizar a árvore e a moto no meio da pista em tempo de parar, até porque o trecho é em curva. “Fui no freio, mas não segurou”, lamentou, abalado. O caminhoneiro, que parou metros após o local do choque em razão dos danos sofridos no para-brisa, só soube que havia um motociclista no meio da árvore quando outros motoristas pararam e comentaram sobre o fato.

O motorista de ônibus escolar Fabrício Schuster, 32 anos, relatou que a situação era complicada no início do dia. “Estava bem escuro e sem luz. A passagem era só pelo acostamento”, apontou. Ele destacou que apenas a 100 metros de distância conseguiu ver os obstáculos no meio da pista. “Se não fossem outros motoristas avisando, de repente eu também não tinha visto antes”, destacou. A árvore foi parcialmente removida na manhã pelo Corpo de Bombeiros de Portão, mas a pista só foi totalmente liberada após a perícia realizar seu trabalho.

Baixo efetivo resultou em demora para sinalização
Como relatou Priscila, por falta de policiais a PRE ficou impossibilitada de encaminhar uma viatura para sinalizar a rodovia assim que houve a queda da árvore. De acordo com o comandante do Grupo Rodoviário de Montenegro, sargento José Marcos Balierro, nesses casos a orientação é acionar outros grupos. “Hoje (ontem), o grupo mais próximo com efetivo disponível para ajudar no momento era o de Gramado”, destacou. Ele apontou que isto ocorreu devido a outras ocorrências que foram atendidas por grupos mais próximos, como o de Portão e o de Bom Princípio, em razão do temporal.

Balierro salientou ainda que, inclusive, um policial foi mais cedo ao serviço para liberar o outro para atender a ocorrência na ERS-240. “Nesse meio tempo deu a fatalidade”, lamentou.

Com pouco efetivo, PRE só conseguiu deslocar viatura após a fatalidade ter acontecido

Região teve outros acidentes
Além do acidente fatal na ERS-240, outras rodovias da região tiveram registro de incidentes nesta terça-feira. Na ERS-124, na localidade de Matiel, Pareci Novo, dois veículos colidiram. O acidente resultou apenas em danos materiais. Na RSC-287, nas proximidades da AD Brenner Tratores, quatro carros se envolveram num engavetamento, mas ninguém ficou ferido. A exemplo do que ocorreu na ERS-124, houve apenas danos materiais.

Deixe seu comentário