Parte da negociação foi feita pelo WhatsApp. Foto: Reprodução Internet

Crime. Para liberar o valor de R$ 6.000,00, fez três depósitos para os golpistas

Uma montenegrina foi vítima de um golpe ao tentar receber o valor de um empréstimo de R$ 6.000,00. Para liberar o valor, ela realizou três depósitos de R$ 150,00, R$ 300,55 e R$ 900,55, mas não recebeu o dinheiro. O prejuízo total foi de R$ 1.351,10. O caso foi registrado na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA).

Tudo começou com uma mensagem enviada para a vítima por WhatsApp oferecendo o serviço. Como estava endividada, a mulher de 60 anos manifestou interesse pela proposta. O homem argumentou que o total do empréstimo poderia ser de até cerca de R$ 50.000,00. Mas, para quitar suas contas, ela disse que precisava de R$ 5.000,00 a R$ 6.000,00, ficando acordado este último. A mulher foi atraída, principalmente, pelo fato de a taxa de juros cobrada ser bem inferior ao da normalmente oferecida por bancos e outras instituições financeiras .A vítima enviou ao homem seus dados pessoais e recebeu um contrato, inclusive contendo o CNPJ da suposta empresa.

A negociação seguiu pela aplicativo de trocas de mensagens e mais tarde por ligações telefônicas. Para liberar o valor, de acordo com o homem com quem estava tratando do assunto, a montenegrina deveria depositar a quantia de R$ 250,55, referentes ao serviço de cartório. A cliente disse que só teria o valor de R$ 150,00 e depositou o dinheiro na conta de uma mulher, que seria uma funcionária da empresa.

Pouco tempo depois, a vítima recebeu outro telefonema pedindo mais R$ 300,55, também depositados. A justificativa, dessa vez, era para pagamento o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Entretanto, nada de o dinheiro entrar na conta dela em conjunto com o marido, que perderia ainda mais dinheiro. Ludibriada pelo estelionatário, ela fez ainda outro depósito, desta vez de R$ 900,55. A promessa do homem era de que todo valor depositado seria devolvido quando o empréstimo fosse liberado, o total seria de R$ 7.351,10, o que não ocorreu.

A montenegrina suspeitou da conduta do criminoso mais de uma vez. Chegou a perguntar se pessoa sabia que ela precisava de um empréstimo. Recebeu como resposta apenas que o nome dela constava em um cadastro.

“O tempo todo eu desconfiei, mas eram tão reais e claras as coisas que eles falavam, que achei que tivesse me enganado. Eles enrolam a gente, são profissionais mesmo”, comenta. Ela salienta, ainda, ser importante ficar atento. “Acho ótimo alertar outras pessoas para que não caiam no mesmo golpe”, completa. Com o trabalho da Polícia, ela ainda tem uma pontinha de esperança de reaver o dinheiro.

Deixe seu comentário