Cozinheiros aprenderam sobre técnica de aproveitamento de alimentos

Dez apenadas do anexo feminino participaram de capacitação em artesanato

Venda dos produtos revertem em renda para familiares. Foto: Divulgação

A Penitenciária Modulada de Montenegro, em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), promoveu formatura nos cursos de artesanato e cozinha na semana passada. Dez mulheres participaram das atividades iniciadas no dia 16 de janeiro. A iniciativa é uma promoção do setor técnico e direção do estabelecimento prisional com o Sindicato Rural de Montenegro, que desenvolve atividades do SENAR em espaços da comunidade. O objetivo é proporcionar a homens e mulheres uma perspectiva diversa da vida ligada ao crime.

Dez apenadas do anexo feminino da PMM participaram do curso de artesanato em macramê. Nessa técnica, elas desenvolveram o trançado e nó em toalhas e decoração de chinelos, confeccionarem bolsas, bonecas entre outras peças, além de aprenderam noções de comercialização dos produtos. A partir de 19 de fevereiro, será a vez dos homens participarem da atividade.

Ocorreu também um curso de reaproveitamento de alimentos, oferecido aos trabalhadores das cozinhas dos módulos de vivência, cozinha administrativa e trabalhadores da cozinha geral. O curso teve como objetivo o domínio da técnica de aproveitamento de frutas, verduras e outros alimentos.
Os dois cursos deram início à parceria entre o Senar e a Modulada. Foram ministrados por profissionais do Senar, que oferece também o material didático. Para o primeiro semestre de 2018, já está acertada uma tabela de cursos em diferentes áreas como elétrica, jardinagem e costura. A proposta é desenvolver qualificação profissional em áreas diversas que possam gerar opções de trabalho e renda durante e após o aprisionamento para homens e mulheres.

Os artesanatos produzidos durante a atividade são vendidos e revertem para as famílias dos presos. Alguns parentes, inclusive, levam as mercadorias para serem vendidas longe das grades. Também há o projeto de comercializar os produtos em feiras de Montenegro e outros municípios do Vale do Caí, além de no Vale do Sinos, regiões atendidas pela Modulada.

Para conseguir ofertar cursos em um maior número, a Modulada busca mais parcerias com instituições. Outra possibilidade é uma aproximação com empresas para utilizarem a mão-de-obra dos apenados. Doações de produtos para servirem de matéria-prima para o artesanato também são bem-vindas. Interessados em colaborar podem entrar em contato com o setor técnico da casa prisional pelos telefones (51) 3649-9241 ou 3649-9225.

“A nossa intenção é, cada vez mais, oferecer cursos e capacitações para gerar renda para as famílias dos presos e diminuir o risco de reincidência no crime”, comenta a assistente social da Modulada, Ana Ferreira. Ela ressalta, ainda, o fato de os apenados aprenderem um ofício, uma possibilidade de sustento após ganharem a liberdade.

Deixe seu comentário