Moradores de vários bairros de Montenegro relataram no Facebook ter sentido um tremor de terra, por volta das 18h dessa terça-feira, 4. O que ninguém sabe é o que causou a ação. Uma empresa mineradora localizada em Costa da Serra chegou a ser apontada pelos internautas como a responsável, mas a empresa nega que tenha havido algum tipo de intervenção no local e afirma que não faz uso de nenhum tipo de produto explosivo. Além disso, no referido horário, o expediente já havia acabado. A secretaria de Meio Ambiente de Montenegro informa que não há confirmação sobre o que aconteceu na cidade.

Uma moradora da rua Campos Neto, no bairro Santa Rita, que não quer ser identificada, conta que ouviu um estrondo muito forte e nesse momento sentiu a casa tremer. Poucos minutos depois, um novo barulho assustou a cidadã. De acordo com ela, é comum ocorrer eventos como o da última terça-feira, só que, em geral, os tremores não têm tanta intensidade.

Um cidadão da localidade de Boa Vista relata que lá os tremores são sentidos de forma ainda mais forte. “Lá chega a dar eco, o chão treme” conta o senhor identificado apenas como Garibaldi. No Facebook foi divulgada uma foto na qual aparece a nuvem a qual várias pessoas dizem se tratar de fumaça, que seria causada pelo uso de explosivos. Os questionamentos se multiplicaram ao longo da quarta-feira, 5.

A reportagem esteve no local apontado pelos internautas como a origem do tremor. Um dos responsáveis pela empresa mineradora e o secretário de Meio Ambiente Adriano Chagas estavam lá. Apenas o secretário aceitou prestar esclarecimentos, mas não quis fazê-lo de forma verbal. Por e-mail, Adriano explicou que não é possível confirmar a origem do tremor. Confira o que diz o gestor sobre o caso.

Jornal Ibiá: Segundo populares, o fato ocorreu na pedreira próximo à localidade de Costa da Serra. Essa informação procede?
Adriano Chagas: Não podemos confirmar esta informação.

JI: Há uma regulamentação municipal sobre o uso de explosivos em pedreiras?
AC: O uso de explosivos é autorizado pelo Ministério do Exército Brasileiro. A Licença de Extração Mineral é emitida pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) e a Licença de Operação é emitida pelo Estado (Fepam). O município só emite a Licença Municipal de Mineração.

JI: Será ou foi feita alguma averiguação do caso?
AC: Sim. Foi verificada a licença de operação, o Plano de Fogo e o Plano de Desmonte de Rocha. Todo o desmonte da rocha é monitorado por equipe técnica especializada, deve ter agendamento prévio pelo Exército Brasileiro e a quantidade de explosivos e a execução do Plano de Desmonte é feito por empresa terceirizada e monitorada pelo Exército. A mineradora não pode por restrição legal, manter explosivos na mina. Além disso, o licenciamento exige o monitoramento da área minerada por um programa de sismógrafos instalados na periferia da mina, que garante que o desmonte e não emita vibrações fora das dependências da mina. Num passado recente este controle e emissão dos laudos de sismografia eram realizados pela Fundação de Ciência e Tecnologia (Cientec) e após a extinção do órgão passou a ser realizado pelo Departamento de Geologia da UFRGS. Também tivemos acesso a estes laudos. Tudo esta controlado.

JI: Qual a punição prevista em caso de infração as regras?
AC: Suspensão da licença de extração mineral, licença de operação e multa.

JI: Quais os impactos ambientais que as explosões podem causar?
A C: Não podemos responder, pois não temos certeza se foi uma explosão.

Foto:reprodução Facebook

Deixe seu comentário