Essa semana, outro caso suspeito envolvendo crianças assustou mães e pais em Montenegro. Bruna Gomes, mãe de um menino de 10 anos, publicou em suas redes sociais a história. Segundo ela, uma mulher se aproximou da cerca da sua casa e chamou a criança, fazendo sinal para que essa ficasse em silêncio. O fato ocorreu por volta das 15h.

Ao avistar a atitude suspeita, Bruna saiu de dentro de casa e perguntou o que a mulher queria. “Ai ela se fez de surda, e eu fui atrás, dizendo ‘o que tu queria com meu filho?’, ai ela virou e disse ‘você está enganada’, e continuou andando empurrando a bicicleta”, relata a mãe. O post já teve mais de 400 compartilhamentos, além de quase 200 comentários de mães e responsáveis preocupados com a segurança dos pequenos.

Segundo Bruna, o filho dela brincava no quintal de casa quando o fato ocorreu, e ela trabalhava no interior da residência. “Fiquei em choque”, relata. Ao comentar com as vizinhas, ela soube de dois casos semelhantes, ocorridos no bairro Tanac e outro próximo à escola Yara Gaia.

Apesar do susto, o ato não chegou a ser registrado na DPPA de Montenegro. A mãe conta que entrou em contato com a Polícia Civil e, conforme a orientação recebida, descreveu a mulher para a pessoa que a atendeu pelo telefone. “Eu descrevi como ela era. A policial perguntou a idade de meu filho e eu disse que ela não era daqui da rua, pois moro aqui há 12 anos e nunca tinha visto ela”, explica.

A postagem nas redes sociais, segundo Bruna, aconteceu para que mais pais e mães fossem alertados e tomassem cuidado. “As pessoas pensam que com a gente nunca acontece… pois acontece sim!”

Como orientar os pequenos
1 – Não falar com estranhos:
A dica é velha, mas sempre muito atual. Crianças são inocentes e tendem a assimilar adultos à segurança. Os pais precisam explicar, de forma equilibrada, que nem todo mundo é legal, que algumas pessoas são “bobas”, podem bater, deixar a criança sem comida, roubar seus brinquedos e por aí vai. Procure ser o mais claro possível. Não fale em bicho-papão e homem-do-saco.

2 – Nunca aceitar doces ou presentes de desconhecidos: Deixe claro para seus filhos que eles devem recusar educadamente qualquer coisa vinda de uma pessoa estranha. Mesmo que a pessoa pareça “boazinha”, o presente ou lanche deve ser recusado, porque nunca sabemos a real intenção. Caso a criança aceite alguma coisa, não brigue. Apenas oriente-a para que não coma nada que vier de pessoas desconhecidas, sem mostrar aos pais.

3 – Quando se perder: A partir de 3 anos de idade, dependendo do desenvolvimento de seu filho, ele já conseguirá decorar o número do telefone de casa. Outra opção é colocar um cartãozinho com o nome e telefone dos pais no bolso da roupa e oriente que, caso ela se perca, deve mostrá-lo a alguém. Mas na a qualquer pessoa. Oriente seu filho a procurar mãe ou pai de outra criança, segurança, policiais ou alguém que entre em uma loja, escola ou restaurante. E que não saia da área onde se perdeu.

4 – Ser aberto à conversa: O tom usado para abordar a criança pode fazer toda a diferença. O ideal é usar o tom de uma conversa casual, mas séria. Se o adulto for muito áspero, a criança pode sentir-se coagida e esconder, caso ocorra uma situação de abordagem por pessoas estranhas. Isso acontece porque ela pode achar que os pais irão brigar com ela. É bom deixar claro que ela sempre poderá contar caso aconteça.

Deixe seu comentário