Fábio Coitinho, 23 anos, tinha muitos sonhos como entrar para a Polícia Federal e casar em 2020. Foto: Arquivo Pessoal

Perda. A frase é de Fábio Henrique Coitinho sobre ter comprado a moto nova escondido da mãe, Adriana Matos da Silva

Fábio Henrique da Silva Coitinho, 23 anos, estava vivendo a realização de um sonho. A conquista da moto Suzuki GSX R Srad 1000cc era um desejo antigo. Para concretizá-lo, vendeu o Voyage branco. A aquisição ocorreu na sexta-feira, 1º de fevereiro. Na primeira voltinha, um imprevisto. Ao chegar em casa, na hora de parar, a moto bateu em uma parede e quebrou a carenagem. Resultado: ficou uma semana no conserto.

Fábio Henrique só pegou a máquina uma semana depois, na sexta-feira, 8. No dia seguinte, sábado, 9, foi com dois amigos até Carlos Barbosa. Ao chegar ao destino, ele não queria sair de cima da Suzuki. Acariciava o tanque de gasolina e dizia ter realizado um sonho.

Essa informação a mãe dele Adriana Matos da Silva recebeu de amigos na cerimônia de despedida do filho. Fábio faleceu quando voltava da viagem com os amigos no quilômetro 12 da ERS-124, após a colisão com uma caminhonete Hyundai IX 35, de Teutônia.

Titica, como era popularmente chamado, morava em Montenegro, era um guri muito querido por todos. As mais de 300 pessoas presentes para dar o último adeus comprovam isso. “Era muita gente chorando que também vão sentir a falta dele”, conta a mãe. “Ele era uma pessoa muito amada, tinha muitos amigos e muitos sonhos, um deles era a moto”, completa.

Titica comprou a moto escondido da mãe. Chegou com a novidade em casa sem dizer nada. Nem precisa, pois o ronco do potente motor já dava a deixa. Adriana não gostou nada. “Ele disse ‘mãe, é o meu sonho, fica feliz por mim”, relembra a mãe.

Ela ressalta o fato do filho ser extremamente dedicado à família e amigos. Ele também deixa o pai Fábio Adriano Coitinho, os irmãos Andressa, Jéssica, Gustavo, Brian e a namorada Stefani Ferreira. Os dois planejavam noivar em abril deste ano e casar em 2020, começando uma nova família. “Um guri cheio de sonhos, de vontade de viver”, reforça a mãe.

Apaixonado por motos
A paixão de Fábio por motos não é de agora. Desde pequeno, ele corria de Veloterra. Precisou parar depois de duas quedas – em uma, quebrou a clavícula, na outra rompeu os ligamentos de um dos joelhos. Mas pretendia voltar. Além da moto na qual estava no dia do acidente, ele tinha outra. “Esta vai ficar de relíquia. Ninguém vai andar”, afirma a mãe.

Titica era suporte de seminovos da Comauto, onde trabalhava há seis anos, mas antes havia passado pelos setores de lavagem e consultor técnico. Ele cursava Direito na UCS, em São Sebastião do Caí. O principal objetivo era se formar e fazer o concurso para a Polícia Federal. Ele também serviu ao Exército.

Suzuki GSX R Srad 1000cc foi comprada com o dinheiro do carro de Titica. Foto: Suzuki

“Era uma pessoa bem focada e trabalhador. Focado no serviço, nos estudos, educado e querido”, afirma o vendedor Luís Henrique Silveira Sarmento, 23 anos, colega de Fábio. Os dois costumavam trabalhar juntos com garçons de festas de formatura. Fábio sempre se virou para ter seu próprio dinheiro. Também foi animador de festa infantil e segurança de casa noturna.

Além disso, o jovem colecionava troféus em disputas de muay thai. Falando nisso, ele levava uma vida saudável. Chegava a pesar a comida para ingerir a quantidade exata de calorias. Os treinos na academia eram diários. “O corpo era tudo para ele. Era lindo, vaidoso”, destaca Adriana.

A tragédia na tarde de sábado
Titica estava pilotando a sua moto às 17h30min do último sábado, 9, quando no quilômetro 12 da ERS-124, em Pareci Novo, aconteceu a colisão envolvendo uma caminhonete Hyundai IX35, de Teutônia. A moto ficou completamente destruída.

A reportagem do Ibiá apurou, com testemunhas do fato, que o carro e a moto se deslocavam em direção a Montenegro. Quando a caminhonete estava sendo ultrapassada, sem perceber tal ação, o motorista do carro teria cortado a frente da moto para ingressar em uma estrada que dá acesso a um parreiral, provocando a colisão.

Porém, somente a perícia irá confirmar isso e mais detalhes da ocorrência, como a velocidade da moto, por exemplo. Após a batida, o veículo IX35, o que sobrou da moto e o jovem caíram em um barranco.

Fábio morreu no local. O motorista do IX35, Homero Pereira da Silva, 61, sofreu um corte na testa, foi atendido pelo Samu, levado ao HM e liberado.

Deixe seu comentário