Somente em um dos locais vistoriados, na rua Capitão Cruz, foram 65 aparelhos apreendidos durante a ação

Jogatina. Ação da Polícia Civil e da BM também encontrou dois equipamentos em Salvador do Sul

A Operação Las Vegas, desenvolvida pela Polícia Civil, com apoio da Brigada Militar, deu um duro golpe em quem vive dos jogos de azar na tarde desta quinta-feira, 25. Foram cumpridos, ao todo, nove mandados de busca e apreensão, sendo oito em Montenegro e um em Salvador do Sul. Foram localizadas 88 máquinas-caça níqueis durante o trabalho, em quatro locais. Também foi localizada a quantia de R$ 4.248,00, cinco caixas de cigarro estrangeiro, 77 poltronas, celulares, estojo de espingarda cal. 36, documentos com anotações de contadoria.

Os estabelecimentos vistoriados foram alvos de denúncias anônimas, muitas partidas de próprios apostadores. Um dos cassinos clandestinos era conhecido das autoridades policiais pela prática ilegal. Ele funciona no prédio de uma antiga gráfica na rua Capitão Cruz. Ali, os policiais encontraram, além de uma aparelho de bingo, 27 caça-níqueis em uma sala menor e 38 no salão principal. Havia 22 clientes no momento da batida. Eles foram identificados.

Outro prédio onde foi flagrada a irregularidade está localizado na rua São João, onde os agentes encontraram 17 caça-níqueis. Não tinha ninguém jogando na hora.

Também houve apreensão em um bar às margens da RSC-287, próximo à entrada do bairro Panorama. No comércio, havia quatro aparelhos de jogos de azar e maços de cigarros contrabandeados. Os últimos caça-níqueis foram apreendidos em um bar de Salvador do Sul. Dois aparelhos foram achados no comércio do bairro Bela Vista.

Os responsáveis pelos locais assinaram termos circunstanciados e vão responder pela prática de jogos de azar. Participaram da Operação Las Vegas, 13 policiais civis, dez do Pelotão de Operações Especiais do 5º Batalhão de Polícia Militar e 26 alunos-soldados da Escola de Formação e Especialização de Soldados de Montenegro (EsFes).

A Operação teve como objetivo tentar acabar com os jogos de azar nestes lugares de forma definitiva. “A nossa ideia é desmobilizar a jogatina. O impacto disso nós só vamos poder medir com o tempo”, reflete o delegado titular da 1ª Delegacia de Polícia de Montenegro, Paulo Ricardo Costa. A autoridade policial também lembra a importância do trabalho conjunto com a Brigada Militar. “Contamos cada vez mais com o apoio da Brigada. Aqui na região nós somos muito parceiros”, comenta.

O comandante do POE, tenente Daniel Augusto de Souza, concorda e ressalta a participação dos alunos-soldados. “O pessoal foi fundamental para o resultado da ação, tanto na abordagem quanto na apreensão”, avalia. Eles se formam em agosto.

Deixe seu comentário