FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Monalise Wandscher de Souza, de apenas 16 anos de idade, levou o tradicionalismo montenegrino para ser conhecido no exterior. Ela participou do Festival del Acordeon Hohner, da capital do México, e disputou com outros 109 gaiteiros (ou acordeonistas) em um concurso que buscava artistas destaque com o instrumento. Em cerimônia virtual neste sábado, dia 24, a jovem descobriu ter sido destacada como a segunda melhor na categoria “intermediário”.

“Eu não acredito até agora que eu consegui. Foi uma alegria que não coube no peito”, comemorou Monalise. Competindo com uma maioria de mexicanos, a montenegrina era a única brasileira entre os participantes, tendo feito sua inscrição através de um conhecido. Como o festival ocorreu todo de forma online, em função da pandemia, ela se submeteu à apreciação dos juros com um vídeo em que levou a música gaúcha para o território estrangeiro.

“Eu gravei em casa. Tive que falar um pouquinho da música que eu ia fazer e toquei a milonga ‘Sureña’, do Edilberto Bergamo”, conta. Acompanhando as etapas do concurso e os eventos online do festival, a menina diz que se impressionou com a difusão do acordeão no México, especialmente entre mulheres. “São ritmos totalmente diferentes daqui, músicas totalmente diferentes, mas eles valorizam muito lá, principalmente a gaita de botão”, destaca.

E não é a primeira conquista da montenegrina dentro do tradicionalismo. No ano passado, a gaiteira ficou em primeiro lugar no Enart, a maior competição artística da área no Estado, na categoria gaita piano. Ela ainda tinha apenas quinze anos de idade. “Eu comecei dançando, com os meus seis anos, em danças gaúchas nas invernadas. Com o tempo, eu comecei a prestar atenção no musical e quis tocar gaita”, recorda, sobre o início de uma trajetória de sucesso. Que venham mais conquistas por aí!

Deixe seu comentário