Ao todo, empresa emprega cerca de mil pessoas na unidade do Município. FOTO: JD

A John Deere desligou cerca de 50 funcionários da fábrica de Montenegro nesta quarta-feira, 4 de março. Sem confirmar o número exato de afetados pela decisão, a empresa enviou nota à reportagem esclarecendo que, na maioria, os demitidos já tinham contratos de prazo determinado.

“Tais medidas se fizeram necessárias em razão de variações de mercado”, justificou a multinacional. “O processo está transcorrendo de forma transparente e em consenso com o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas, Material Elétrico e Eletrônico de Montenegro (STIMMME).”

Em novembro do ano passado, a John Deere havia demitido 150 funcionários de sua fábrica em Horizontina. A decisão deixou muita gente em alerta sobre a manutenção de seus empregos na planta montenegrina. Na ocasião, porém, a empresa havia garantido que os ajustes eram restritos à unidade do noroeste do Estado.

Mas os efeitos acabaram chegando aqui. Conforme o presidente do sindicato de Montenegro, Francisco da Costa, havia uma expectativa na fábrica de que os números da produção de tratores se mantivessem no bom patamar dos anos anteriores. Isso justificava, até então, a continuidade do vínculo com os funcionários com contrato de tempo determinado.“Mas isso não se confirmou”, lamenta.

“Hoje, a empresa está até dispensando algumas pessoas para ficarem em casa, através de banco de horas, porque não tem produção”, revela o líder sindical. “Para evitar mais desligamentos, eles acabaram trazendo a produção do segundo semestre deste ano para o primeiro, para encher o dia do pessoal. Mesmo assim, sobrou gente. Então, eles não tiveram como segurar essas cinquenta pessoas”.

Segundo Costa, o Sindicato foi chamado pela John Deere para uma reunião antes do desligamento, quando receberam o esclarecimento. Cerca de mil funcionários trabalham na fábrica de tratores em Montenegro.

Deixe seu comentário