A John Deere abriu suas portes neste sábado, 9, para que a comunidade pudesse conhecer um pouco mais da produção e do funcionamento da empresa. O evento ocorre a cada dois anos. “O grande objetivo é que os nossos funcionários possam mostrar o local onde trabalham. A gente libera tanto para familiares quanto para amigos”, explica Carla Ávila, gerente de recursos humanos da unidade Montenegro.

Durante o dia, cerca de 4.300 pessoas visitaram a fábrica e conheceram os processos de montagem dos tratores e, ao final, puderam compartilhar um lanche e um momento de lazer.

Douglas Roberto Schley trabalha no setor de utilidades e levou a esposa, a filha, o cunhado e um amigo para conhecerem o lugar onde trabalha. “Eu saio todo dia cedo de casa pra vir pra cá e só retorno à tarde. A gente chega em casa e conta do trabalho, e a pessoa fica imaginando. Mas pode trazer aqui e mostrar é bem diferente.”

Ele já é colaborador da John Deere há oito anos e a esposa, Carine, já esteve várias vezes na empresa durante o “Portas Abertas”, mas nunca deixa de se surpreender. “É bom a gente conhecer aqui porque eu acredito que a empresa reconhece muito os funcionários. Assim a gente fica por dentro, conhece o trabalho deles”, avalia.

“Cada peça é feita com muito amor”, diz Talita
Soldadora há 10 anos, Talita da Rosa, 34, fez o curso com objetivo de trabalhar na John Deere, onde está há dois anos e sete meses. A responsabilidade do setor é grande, mas ela conta que o treinamento é intenso também. “A gente tem um sistema de apadrinhamento, onde os soldadores mais experiente vão passando o conhecimento gradativamente para os mais jovens. Além disso, temos muitos cursos e treinamentos”, explica. “A responsabilidade é grande, porque ela é a parte estrutural da cabine, é o que dá a segurança para o nosso cliente. Mas também temos a certeza de que estamos fazendo o melhor trabalho e da forma correta por conta disso”.

Ela se descreve orgulhosa em saber que os tratores tiveram um pouquinho dela no processo. “Quando a gente olha um trator pronto, sabe que em cada um deles foi colocado muito amor e muito carinho, porque a gente sabe que o cliente vai trabalhar com essa máquina. A gente faz cada um como se fosse para nós”, conta, arrepiada.

Ela trouxe, para conhecer a empresa, o filho, Guilherme, de 11 anos, o irmão, a cunhada e o sobrinho, de apenas dois aninhos. “Ele queria conhecer os ‘tatois’”, revela. A cunhada, Cristiane da Rosa, visitou a fábrica pela primeira vez e surpreendeu-se. “Eu achei muito legal. É bem diferente do que eu pensava. Muito melhor”, diz, embora conte que Talita seja uma pessoa bastante motivada com o trabalho. “O que mais me chamou à atenção é a forma como os funcionários são tratados”.

Talita foi, inclusive, uma das funcionárias escolhidas para representar a empresa na entrega do prêmio de terceira melhor empresa para trabalhar no Rio Grande do Sul, segundo o Great Place to Work.

Curiosidades sobre a John Deere em Montenegro
– A planta de Montenegro emprega 1.000 funcionários diretos e cerca de 300 indiretamente;
– são produzidos 70 tratores por dia na unidade;
– todos os modelos da John Deere são produzidos aqui, sendo a única fábrica com essa característica no Brasil;
– a empresa possui uma área construída de 83 mil metros quadrados;
– essa é a única fábrica, fora dos Estados Unidos, que produz o modelo 8R, o maior da John Deere.

Deixe seu comentário