Mapas mostram agosto com pouca chuva e frio. Imagem: Climatempo

“A previsão, infelizmente, não é muito boa para a Região Sul”. A frase do meteorologista Filipe Pungirum resume a má notícia que chega para o Vale do Caí, após seis meses da pior seca dos últimos anos. Em transmissão no canal do Instituto Climatempo no YouTube, a respeito do Inverno que começa sábado, ele revelou que a partir de 10 de julho as temperaturas serão acima e as chuvas abaixo da média histórica.

Filipe explicou que, após uma melhora da questão das chuvas, o avanço das frentes frias piorou. Elas são ferramentas da natureza para o equilíbrio térmico, trazendo umidade e frio para onde está quente e seco. Todavia, este sistema havia sido influenciado pelo principal acontecimento meteorológico do início de 2020, que foi a anormal elevação da temperatura da superfície do mar leste, causando a estiagem na Região Sul.

Outro fator comprovado nas análises é a Neutralidade Climática para o Inverno (sem fenômeno El Ninõ ou La Ninã), mas que não quer dizer normalidade de chuvas, mas sim, que a atmosfera estará mais suscetível a outras sensíveis oscilações climáticas.
Para reverter esta crise hídrica no Rio Grande do Sul, o meteorologista acredita que seriam necessários de três a quatro meses com chuvas acima da média. “Mas a expectativa não é boa”, declarou, em relação a uma normalização deste quadro, que terá alívio apenas em setembro. Inclusive, o cenário crítico para a agricultura, abastecimento e geração de energia não melhorou porque as chuvas entre maio e até o fim de junho estão mal distribuídas.

Em relação às temperaturas elevadas para esta época do ano, Filipe esclareceu que o avanço de massas de ar polar vindas da Argentina provocará eventuais quedas severas nos termômetros. Inclusive, a possibilidade de geadas isoladas não é afastada.

Citricultura acabará sendo beneficiada
O técnico em Agropecuária da Emater Montenegro, Valmir Michels, tranquiliza o setor primário, ao menos no que diz respeito à citricultura. Segundo ele, um cenário de pouca chuva é até melhor neste momento de ciclo final da cultura, dando ganho na qualidade. Além disso, há menor perda de umidade no solo encharcado das últimas chuvas, o que não deve influenciar negativamente nas safras futuras.

“Evidentemente, de agosto em diante não pode ter uma precipitação muito maior, por causa da floração das frutíferas”, explica. O desejável para esta cultura seria a chuva dentro da normalidade. Mas, entre acima ou abaixo, o melhor será abaixo. O clima seco beneficiará ainda o manejo de pastagens e a colocação de gado no pasto.

Previsões mês a mês
Julho: temperatura média – mínima 9/ máxima 19
Projeção de chuva – 153 -mm (milímetros)
*A partir do dia 10, expectativa de temperaturas acima da média para a estação, enquanto a chuva ficará abaixo da média histórica;

Agosto: temperatura média – mín. 11/ máx. 21
chuva – 131 mm
*As temperaturas caem, aproximando-se do normal para esta época; todavia a chuva segue aquém do esperado, e daquilo necessário;

Setembro: temperatura média – mín.12/ máx. 23
Chuva – 162 mm
*A média das temperaturas volta a subir. Ao menos será um mês de melhoria nas chuvas, que, todavia, cairá então acima da média. O cenário mais severo, porém, será no norte do Estado, divisa com Santa Catarina.

Período do Inverno
O inverno 2020 começa em 20 de junho, às 18h44min; e vai até 22 de setembro, às 10h31min

Deixe seu comentário