Outubro tem melhora na Intenção de Consumo das Famílias (ICF) no Rio Grande do Sul, conforme pesquisa divulgada nesta semana pela Fecomércio-RS. O indicador registrou uma alta de 22,7% sobre o mesmo período do ano passado.

Mesmo considerando a fraca base de comparação de 2016, os dados da pesquisa evidenciam um processo permanente de recuperação na intenção de consumo das famílias gaúchas. “A intenção de consumo das famílias tem aumentado. Entretanto, ainda não estamos vivenciando uma situação de otimismo, mas sim um período em que o pessimismo se reduz cotidianamente com a consolidação do cenário de retomada da atividade econômica”, pontua o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn.

Os dados específicos sobre o mercado de trabalho confirmam esse cenário. O indicador que mede a situação do emprego permaneceu, em outubro, pelo nono mês consecutivo em nível otimista, registrando 109,3 pontos.

A alta sobre o mesmo mês de 2016 foi de 11,9%. Embora os saldos de geração líquida de emprego no Estado permaneçam negativos, a destruição de empregos perdeu o ritmo nos últimos meses. Em relação à situação de renda, o indicador mostrou alta de 7,2% sobre outubro/2016, atingindo 74,8 pontos.

O indicador referente ao nível de consumo atual marcou 51,6 pontos em outubro, com alta de 20,4% na comparação com o mesmo mês do ano passado, puxado principalmente pela combinação de inflação e taxas de juros reduzidas. “No entanto, a recuperação do consumo está profundamente ligada a uma recuperação mais robusta do mercado de trabalho”, afirmou Bohn. O índice que mede a facilidade de acesso ao crédito cresceu 27,9%, chegando a 69,0 pontos. Mais uma vez se percebe que o aumento ocorre sobre uma base deprimida de 2016.

A pesquisa mostra que o acesso ao crédito vem ganhando força, com altas nas concessões para pessoas físicas, mas as instituições financeiras, por sua vez, permanecem cautelosas na liberação de crédito.  Em relação ao momento para o consumo de bens duráveis, o ICF apurou uma elevação significativa de 112,6% sobre outubro/2016, alcançando 59,4 pontos. A base de comparação do indicador também é fraca, mas já há sinais de melhora nas vendas de itens de maior valor agregado e uma perspectiva mais otimista sob o ponto de vista do consumo, especialmente com a proximidade das compras de final de ano.

O indicador de perspectiva profissional subiu 6,0% em outubro sobre o mesmo mês de 2016, alcançando 81,8 pontos. Nas perspectivas de consumo houve uma expansão de 35,2% em relação a outubro/2016, registrando 78,5 pontos.  O cenário, no entanto, tende a melhorar com as datas festivas de dezembro.

Deixe seu comentário