Corpo técnico e administrativo do HM se reuniu na manhã desta quinta-feira para esclarecer caso da funcionária com Covid-19

Paciente apresentou sintomas antes de iniciar jornada de trabalho e foi encaminhada para isolamento domiciliar

Montenegro teve, na noite de quarta-feira, dia 8, confirmado o seu primeiro caso de pessoa infectada com o novo coronavírus. O fato foi divulgado pela Prefeitura e causou preocupação por a paciente ser uma funcionária do Hospital Montenegro 100% SUS (HM). Para tranquilizar a população – e também seus colaboradores – esclarecer o caso, a direção da casa de saúde realizou uma coletiva de imprensa na manhã de quinta-feira, dia 9.

De acordo com a direção do HM, a paciente não circulou doente pelo hospital. Conforme nota de esclarecimento, a funcionária apresentou, na semana passada, sintomas antes de iniciar sua jornada de trabalho e foi encaminhada, seguindo protocolo da instituição de saúde, para o setor de emergência especialmente montado para casos de Covid-19. Lá, ela foi avaliada e material para testagem foi coletada.

Em seguida, a mulher recebeu atestado para aguardar em casa a confirmação do quadro clínico em isolamento domiciliar. “Essa paciente não trabalhou doente. Antes de chegar no plantão, ela avisou que teve uma febre e sentiu um mal-estar e dor de garganta, que é um quadro leve da doença, e foi direcionada, conforme nosso protocolo, para atendimento. Quero deixar claro que a gente não teve uma paciente que andou pelo hospital doente”, reforçou o diretor técnico do Hospital Montenegro, Jean Ernandorena.

Não foi revelado o setor no qual a funcionária trabalha e tão pouco sua idade ou se ela possui comorbidades, mas a equipe técnica do HM destacou que ela encontra-se em quadro estável. De acordo com o diretor administrativo do HM, Carlos Batista da Silveira, não é possível determinar onde a paciente contraiu o vírus. “O importante é que a funcionária está bem”, salientou.

A direção da casa de saúde disse compreender a necessidade de a Prefeitura de Montenegro divulgar casos confirmados do novo coronavírus na cidade, no entanto entende que o Executivo deveria ter tido cautela para se evitar a má compreensão do público acerca do caso e, sobretudo, a exposição da instituição de saúde e de sua funcionária. Em nota de esclarecimento, o HM lamentou o ocorrido e reforçou à população que está tomando todos os cuidados necessários ao atendimento de seus pacientes e funcionários e que deseja uma rápida recuperação de sua funcionária.

A casa de saúde reforçou, por meio da sua direção, ainda, que desde o início da pandemia ela vem adotando protocolos internos rigorosos, tanto para preservar a saúde de seus pacientes quanto a de seus funcionários. Para tanto foram investidos recursos na aquisição de materiais, equipamentos e equipamentos de proteção individual (EPIs) necessários ao enfrentamento do novo coronavírus; foi feita a instituição de protocolos internos para atendimento de pacientes e funcionários; foi realizada instalação de uma ala específica para tratamento isolado de pacientes com suspeita ou confirmação da Covid-19; e a captação de recursos para que o HM possa fazer frente ao combate do novo coronavírus na região.

“O distanciamento é importante, mas a frieza faz mal”

Diante da pandemia e da perseverança dos profissionais de saúde – a linha de frente no combate ao coronavírus -, em muitos locais tornou-se tradição que o esforço desses médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem e tantos outros profissionais que trabalham em hospitais fosse reconhecido com uma salva de palmas. No entanto, em Montenegro a situação tem sido um tanto diferente. “Os relatos dos nossos colaboradores são assustadores. Como, por exemplo, se alguém do nosso pessoal vai ao supermercado e está com uniforme da instituição ele é visto e tratado diferente”, lamentou o diretor técnico do HM.

HM é referência para Municípios da região e está preparado para atender casos da Covid-19. Foto: Arquivo/Jornal Ibiá

Ernandorena reforçou que o Hospital Montenegro está preparado para proteger seus funcionários da contaminação pelo novo coronavírus e para atender do jeito correto. “As pessoas podem contar com nosso hospital. Não precisa ter medo”, garantiu. “O distanciamento é importante, mas a frieza faz mal”, complementou.

Batista reforçou que na noite de quarta-feira, após confirmado o caso positivo da funcionário do HM, foi feita uma fala com presença de psicóloga, coordenação de Recursos Humanos e gerência de Enfermagem aos colaboradores que iniciavam seu turno para tranquilizá-los. Fala essa que repetiu-se nos outros turnos. “Infelizmente a nossa primeira meta, que era de não ter nenhum funcionário infectado, não foi batida, mas nós vamos continuar com a meta de ter o mínimo de funcionários infectados possíveis para poder atender bem a população que necessitar do atendimento aqui no hospital”, destacou o diretor administrativo.

O gestor lembrou, ainda, que a casa de saúde segue com seus atendimentos normais, com o hospital vivendo e trabalhando organizadamente. A diferença é que agora há uma ala específica para pacientes com ou suspeitos de estarem com a Covid-19. Batista esclareceu, ainda, que o HM conta com 20 respiradores, equipamento bastante importante para o enfrentamento de casos graves da doença.

Infectologistas garantem preparo do HM

O médico infectologista do Controle de Infecção da instituição, Antônio Rosa, destacou todo o preparo tomado pela direção do HM para atender pacientes com o novo coronavírus. “Se montou esquema prevendo uma possibilidade de uma situação de emergência de saúde de pública, onde se dividiu o hospital ao meio”, comentou.

Rosa salientou que nenhuma equipe que trata de um paciente com suspeita de infecção respiratória, qualquer que seja ela, trata pacientes internados por outras razões. O médico infectologista ponderou, ainda, que o distanciamento possui benefícios e malefícios, mas que, em termos de saúde pública, traz benefícios. “A gente tem que repensar todas as nossas atividades, tanto econômicas quanto sociais”, apontou.

O coordenador da Medicina Hospitalar do HM, o médico Felipe Canello Pires, corroborou com a fala de Rosa e disse acreditar que a casa de saúde não terá problemas de ordem técnica para combater a epidemia. “A gente não esperou o caos acontecer para tentar correr atrás, a gente está pronto muito antes de a situação ficar ruim”, colocou. Pires observou, ainda, que era esperado que o primeiro caso aparecesse onde se testa mais gente. De acordo com ele, a população em geral só está sendo testada quando apresenta sinais mais graves de síndrome gripal, enquanto que o teste nos profissionais da saúde é feita em caso de sintomas mais leves.

O médico destacou, ainda, que o paciente só deve buscar o hospital quando apresentar sintomas mais graves da Covid-19, como falta de ar, sensação de pressão no peito, cianose (cor azulada ou acinzentada da pele, das unhas, dos lábios ou ao redor dos olhos) ou agravamento de um quadro gripal. Pacientes que não apresentem esses sintomas podem buscar atendimento, em Montenegro, no Pronto Atendimento 24 Horas, nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) ou até mesmo pelo Tele Covid-19, que atende pelos números 9 9780-4233 e 9 9815-9413.

Deixe seu comentário