O soldado do 5º Batalhão de Polícia Militar Taigor Pedroti é um dos dez policiais da região integrantes da Operação Golfinho. Além de zelar pela segurança dos banhistas, ele consegue fazer as pessoas acreditarem em um mundo melhor, dando uma verdadeira aula de empatia e humanidade. Nessa quarta-feira (27), enquanto trabalhava em sua guarita na praia do Pinhal, no Litoral Norte, ajudou a concretizar o desejo de uma pessoa. Com força, suor e amor ao próximo.

Pedroti atendeu ao pedido de ajuda de uma família, desceu da guarita e, prontamente, ajudou o aposentado Luis Fernando Silva Freitas, de 42 anos, de Porto Alegre, paraplégico há 20 anos por causa um acidente de carro, a entrar na água. “Perguntei ao Luis se ele gostava do mar e se queria tomar um banho, imediatamente ele me olhou e respondeu que ‘querer, ele queria’, mas que era impossível, pois pesava aproximadamente 130 quilos e não tinha movimentos da cintura para baixo”. Então Pedroti perguntou se ele estava disposto a tentar. A resposta foi um determinado “Vamos lá”.

Juntos, o soldado e o irmão de Luiz Fernando, Cristiano Silva Freitas, 44 anos, conseguiram levá-lo até a água. “Luis Fernando começou a se jogar na água como se fosse uma criança, o sorriso em seu rosto era de felicidade. Ele não parava de apertar minha mão e de agradecer, mas a parte mais marcante foi quando olhou para todos ao seu redor e falou. ‘Esse é meu melhor presente de Natal”.

“O Pedroti prontamente me ajudou, eles fizeram bastante esforço, porque sou bem pesado. Fazia mais de dois anos que não entrava na água. Estava louco por um banho de mar”, comenta, Luiz Fernando, agradecido. Também lembra da ajuda imprescindível do irmão. “Ele é franzino e teve bastante trabalho”, revela. O aposento costuma ira a praia de Arroio do Sal, onde entra na água com a ajuda de alguns primos.

Por mais respeito e inclusão
A história de Pedroti e Luiz Fernando, postada na rede social do soldado, teve muitas manifestações de apoio. Mas o policial militar faz questão de ressaltar o empenho de todos os guarda-vidas para proporcionar um verão inclusivo, onde todos tenham a oportunidade de se divertir. “Não sou só eu, isso acontece diariamente nas guaritas do litoral gaúcho. Mas nem sempre é feito registro”, afirma, de forma humilde. O aposentado atesta isso. “Não foi a primeira vez”, resume.

Os dois esperam que a grande repercussão sirva para incentivar a inclusão nas praias, muitas vezes com acessos precários e, principalmente, o respeito da população com as pessoas com deficiência. “Em 90% das vezes que entro com o carro na areia, sinalizando e com adesivo (mostrando ser portador de necessidades especiais), tu precisa ver os olhares das pessoas e as críticas que já ouvi”, destaca Luis Fernando. Além dele e de seu irmão, também estavam na praia a mãe Maria Nelcy e a esposa Ana Carine Rodrigues.

Uma verdadeira lição de vida

Soldado Pedroti, Luiz Fernando e Cristiano

Em sua rede social, o soldado Taigor Pedroti dez um relato comovente e certeiro no sentido de nos levar a uma importante reflexão. “Tanta gente por aí que tem duas pernas boas, saúde e força para correr atrás de seus sonhos e objetivos e só sabe reclamar da vida. E o Luis Fernando ali, feliz, mesmo com suas deficiências não estava reclamando da vida. Ele também não estava preocupado em ganhar presentes materiais de Natal e, sim, queria sua liberdade para pode se locomover como se pernas boas tivesse, e essa sensação o mar proporcionou a ele. Queria que todos nós parássemos um minuto para refletir e ver o quanto materialistas somos. E que, neste Ano Novo de 2018, possamos dar mais valor para o que temos, como a nossa saúde, a nossa fé, os nossos amigos e a nossa maravilhosa família.”

Deixe seu comentário