Das mãos das voluntárias surgem os itens de proteção. Ajuda é muito bem vinda

JÁ PASSOU DOS 600. Itens de proteção ao contágio pela Covid-19 também foram entregues em instituições de saúde

Começou com duas amigas que, sem poder trabalhar, queriam uma forma de contribuir com a comunidade. Foi na segunda-feira passada, dia 23. Aline Passos tinha uma máquina de costura portátil, então decidiu com Katia Liane Herzer: iam fazer máscaras descartáveis para distribuir em lares de idosos e instituições de Montenegro.

E foi Katia postar da ideia em seu status no WhatsApp que já apareceram mais voluntários interessados. Nascia uma corrente de solidariedade entre doadores de material e costureiras que já entregou mais de 600 máscaras pela cidade. “Um amigo se ofereceu para costurar, aí outras costureiras vieram. A gente começou a entregar para elas o material cortado, prontinho, só para costurarem”, explica Aline. Para alguns, elas mesmas vão nas casas entregar os itens pra costura; outros buscam para fazer.

As máscaras, feitas de TNT duplo, já foram entregues no Recanto das Vovós, na Casa de Amparo Mão de Deus, no Lar Sagrada Família, no Abrigo Menino Jesus de Praga, dentre outras. As voluntárias terminaram ontem um pedido para a secretaria municipal de Saúde e também já entregaram no Hospital Montenegro. “Tem bastante gente. Estamos até surpresas com as pessoas”, destaca Katia, sobre a solidariedade dos voluntários.

Para Aline, só de envolver pessoas que estariam paradas em casa num bem comum já faz bastante diferença. “As pessoas se sentiram úteis, engajadas em prol de alguma coisa”, avalia.

DEMANDA POR MATERIAL

Enquanto se falava na reabertura do comércio no início da semana, a dupla também foi procurada por lojistas precisando de máscaras. Combinaram de fazer os itens de proteção em troca de material. Mas, hoje, a própria limitação ao comércio torna difícil a aquisição do TNT e também dos elásticos, cujo custeio sai do bolso dos voluntários. Nesse sentido, as doações têm sido cruciais. “Acredito que a gente até não tem mais (produção) porque as pessoas não estão conseguindo o material. Eles estão trazendo tudo o que tem em casa”, coloca Katia.

Em entrevista na última quarta-feira, 1º, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que máscaras, como as produzidas, são barreiras eficientes para a população em geral contra o coronavírus; assim preservando os estoques das máscaras cirúrgicas para uso dos profissionais de saúde.

Elas impedem a entrada e saída de gotículas, diminuindo as chances de transmissão do vírus. Só precisam ser substituídas quando ficarem úmidas.

A rede de confecção criada em Montenegro também pode contar com a sua ajuda, seja pela doação de materiais ou pelo voluntariado para a confecção. Interessados podem entrar em contato pelo número (51)98195-7772.

Deixe seu comentário