Jéssica Santana comemora a oportunidade de entrar formalmente no seu ramo de trabalho

Na comparação com o mesmo período de 2018, dados do Caged mostram baixa em Montenegro

Nesta semana, foram divulgados os dados de junho do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, o Caged. Fechando o levantamento oficial das admissões e demissões do primeiro semestre de 2019, os números mostram um período relativamente estável em Montenegro.

Foram 3.457 admissões e 3.440 desligamentos. Um saldo de 17 para a geração de empregos. É “positivo”, mas não chega nem perto do índice de geração de empregos no mesmo período do ano passado. O saldo de primeiro semestre de 2018 tinha sido de 683. A queda é de 97,51%.

Nesses seis meses do ano passado, a cidade abriu 3.879 postos de trabalho e fechou 3.196. Subiu na parte boa e diminuiu na parte ruim. O principal segmento do ano foi o da prestação de serviços, com um saldo de geração de empregos de 427, seguido da indústria da transformação, com 241. Ambos tiveram queda, agora, em 2019. O primeiro fecha o semestre com 11 vagas negativas; o segundo com 18 negativas, como mostra a tabela a seguir.

Neste patamar, os pequenos empreendimentos são os que acabam abrindo mais vagas
Recente levantamento do Sebae mostra que, em todo o país, são os pequenos negócios os principais responsáveis pela abertura de novas vagas de emprego. Muito disso, influenciado pelo empreendedorismo de pessoas que, sem encontrar colocação no mercado de trabalho, optam por abrir empresas próprias.

No acumulado dos primeiros cinco meses de 2019, por exemplo, os micro e pequenos criaram 326,6 mil novos empregos Brasil afora. Foram 35 vezes mais do que as médias e grandes empresas abriram, juntas. Em Montenegro, só no mês de abril, 41 alvarás para novos empreendimentos foram emitidos. Em junho foram 25.

“Nós trabalhamos muito em trazer novos negócios aqui pra cidade”, garante a secretária municipal de Indústria, Comércio e Turismo, Cristiane Gehrke. “O papel da administração pública é se aproximar dos empresários, conhecer o local, mapear o que eles precisam de apoio e os ajudarmos”.

Um exemplo de pequena empresa que garantiu vagas de emprego na cidade é a D’pil, uma clínica de fotodepilação e estética inaugurada no início do mês passado. O negócio é fruto de sonhos recentes da administradora, Ana Gabriela Zimmer, de 36 anos de idade. “Eu sou bancária, trabalhei por mais de 12 anos na área, mas chegou em um ponto que não era mais o que me satisfazia”, relata Ana. Foi por indicação de uma amiga que ela desenvolveu o novo empreendimento, focado em levar mais autoestima às pessoas.

Lá trabalham outras duas esteticistas. A jovem Jéssica Santana é uma delas. Em fase de estágio, ela conta, com alegria que, assim que concluir a formação, já tem emprego garantido na empresa onde atua. “Eu sempre gostei desse ramo. Eu queria promover o bem estar, mas de uma forma diferente e foi na estética que eu vi esse nicho”, comemora. A expectativa por tempos melhores é grande.

Tem mais!
O Caged mostra para este ano que, apesar de pouca diferença, o número de admissões supera o de desligamentos.
Mas visto que os desligamentos também consideram os aposentados, quando estes deixam o mercado, é preciso levar em conta também quem entrou nele e está somando nas admissões. E conforme a agência do Sine Montenegro, foram 929 novas Carteiras de Trabalho e Previdência Social (CTPS’s) emitidas no Município nos primeiros seis meses de 2019. O saldo “positivo” do Cadastro não leva em conta este fator.

Deixe seu comentário