Também foram apreendidos, ao todo, 180 kg de drogas.

Operação Andróid. Ação ocorreu em 22 municípios do RS e em Florianópolis

A Operação Andróid, desencadeada em 22 municípios gaúchos e em Florianópolis (SC), teve o cumprimento de dois mandados de prisão preventiva na Penitenciária Modulada de Montenegro, na localidade de Pesqueiro. A força-tarefa desenvolvida a partir da Delegacia de Polícia Regional de Três Passos teve o objetivo de combater o tráfico de drogas organizado por uma facção criminosa e comandado de dentro do sistema prisional. Ao todo, foram 42 detidos, sendo três em flagrante, e apreendidos três menores de idade.

Os dois presos na cadeia de Montenegro são Bruno Barbosa dos Santos, 20, e Djonatan Eduardo de Oliveira, 23. Eles já estavam na penitenciária também por envolvimento com o tráfico. Os mandados foram expedidos pela Comarca de Sarandi.

As ações operacionais, com apoio da Brigada Militar e da Polícia Rodoviária Federal, também resultaram na apreensão de aproximadamente 180 quilos de drogas (maconha, cocaína e crack), armas de fogo, munições, veículos, dinheiro e balanças de precisão, entre outros.

Ao todo, foram 42 pessoas presas e três adolescentes apreendidos

Durante as investigações foi apurado que, traficantes líderes, do interior de estabelecimentos prisionais, de forma estruturada e hierarquizada, comandaram e gerenciaram comparsas controlando desde o transporte de drogas, fracionamento, entrega a gerentes regionais e locais, até alcançar as vendas a usuários. Pré-determinados gerentes regionais eram responsáveis por recepcionar e distribuir a gerentes locais em cada cidade da Região Celeiro as drogas oriundas da Região do Vale dos Sinos.

As investigações iniciaram no mês de julho de 2017 e, nesse período, num total de 62 constrições cautelares pessoais, já foram realizadas 55 prisões de indivíduos adultos e apreendidos sete adolescentes infratores em dezenas de ações que ocorreram em praticamente todos os municípios da Região Celeiro e em outras cidades, como Sarandi, Seberi, Carazinho, Montenegro e Novo Hamburgo.

“Essa organização criminosa veio com a proposta de vender drogas em larga escala, mas, paralelo a isso, vieram os crimes conexos, principalmente os crimes contra a vida, por conta desse fenômeno da disputa pelo tráfico de drogas, por conta desse fenômeno de acerto de contas e dívidas”, explica o delegado da Polícia Civil Vilmar Schaefer.

O delegado regional, Marcelo Farias Pereira, ressalta como fundamental a interlocução entre as Polícias Civis de diferentes municípios. “É importante a participação com as outras regiões, para trocar experiências e informações. Já não é o primeiro trabalho que fizemos com a regional de Três Passos. O nosso SIPAC (Serviço de Inteligência Policial e Análise Criminal) mantém contato permanente”, diz.

Deixe seu comentário