Os beneficiários do AME foram surpreendidos com avisos colados na parede da Farmácia Municipal

Montenegrinos estão ficando sem esses produtos que deveriam ser fornecidos pelo governo do estado

A falta de alguns medicamentos tem preocupado pacientes atendidos pela Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul (SES/RS). Durante a semana, ao se deslocarem até a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), órgão responsável pela entrega das medicações em Montenegro, os beneficiários foram surpreendidos com avisos fixados na parede da Farmácia Municipal.

“Não é a primeira vez que acontece isso. Já ocorreram situações em que tive que comprar o medicamento e tirar do orçamento da comida”, disse a dona de casa Maria de Souza, que foi retirar os remédios para o tratamento do filho. “Essa situação é muito triste, porque meu filho precisa e não tem o que fazer, ele depende disso.”

Entre os medicamentos em falta, estão os imunossupressores, usados em tratamentos para evitar a rejeição do órgão transplantado. A Secretaria Municipal de Saúde, Cristina Reinheimer, enfatiza que os aqueles do componente especializado, constantes na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename), são de responsabilidade de fornecimento do Estado.

“O Município apenas realiza a entrega aos pacientes que possuem processo administrativo/judicial cadastrado no Sistema Administração de Medicamentos do Estado (AME), devidamente deferido e autorizado para distribuição. Desta forma, somente é possível fazer o repasse destas quando o Estado envia para o Município a cota necessária”, ressaltou a secretária. “As medicações de competência de fornecimento do município são definidas na listagem do REMUME, as quais são fornecidas na Farmácia Básica e não possui componentes em falta”, acrescenta.

O que diz a Secretaria Estadual de Saúde
Conforme a Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul, o medicamento Pramipexole (todas as apresentações) é comprado pelo Ministério da Saúde que agendou entrega no Estado para dia 23 deste mês. No caso do Azatioprina, a secretaria informa que o laboratório responsável pela produção do remédio sofreu um incêndio no final de outubro, o que impactou no seu fornecimento. Ainda, conforme a SES/RS, a distribuidora licitada está em tratativa comercial com outro fabricante, porém, está tendo dificuldades em concluir a contratação em virtude de recesso de grande parte da indústria farmacêutica.

A medicação Sertralina está com nova compra em tramitação, já em relação ao Atorvastatina-80 e 20mg, o fornecedor entregará no dia 17 de janeiro. A partir da data, serão adotados os trâmites necessários para reabastecimento dos municípios.

Segundo a SES/RS, o medicamento Mesalazina está disponível no estoque do município, e o metilfenidato foi liberado para o município e guarda retirada no almoxarifado do órgão.

Saiba quais os medicamentos em falta, conforme a SMS
Azatioprina 50 mg
Adalimumabe 40 mg injetável
Hidroxicloroquina 400 mg
Atorvastatina 40mg e 80 mg
Calcitriol 0,25 mcg
Ciprofibrato 100 mg
Clozapina 25 mg e 100 mg
Gabapentina 300 mg
Lamotrigina 100 mg
Mesalazina 800 mg
Metilfenidato, 10 mg
Olanzapina 10 mg
Pramipexol 0,25 mg e 1 mg
Quetiapina 25 mg
Sertralina 50 mg
Sevelamer 800 mg
Sulfassalazina 500 mg

Compartilhar

Deixe seu comentário