Ruben teve grande participação e foi importante para o desenvolvimento do setor cultural montenegrino. Foto: Arquivo/Jornal Ibiá

Publicitário, artista plástico e ex-diretor de Cultura morreu no domingo, dia 14

Morreu no domingo de Carnaval, dia 14, Ruben Herrmann, que marcou Montenegro justamente por seu trabalho carnavalesco e na área da Cultura. O publicitário, artista plástico e ex-diretor de Cultura, que tinha 78 anos, era residente da Casa de Amparo Mão de Deus. Ele morreu por complicações de uma infecção pulmonar.

A sobrinha e tutora de Ruben, Rosemary Lemmertz, diz que seu tio foi um guerreiro. “Sua trajetória de vida só nos deixou muitos aprendizados. Amigos e amigas era o que ele mais tinha na cidade”, comenta. Ela revela, ainda, que nos últimos anos Ruben esteve debilitado por causa de inúmeros episódios de acidente vascular cerebral (AVC) e também pela diabetes.

Ao longo de sua vida, Ruben teve intensa participação no setor cultural da cidade. Ocupou o cargo de diretor de Cultura de Montenegro nos governos de Maria Madalena Bühler e de Percival Souza de Oliveira, foi presidente da Associação Amigos da Fundarte e também da Associação dos Amigos do Serviço de Patrimônio Histórico e Cultural (AASEPAHC). Também foi o carnavalesco e figurinista da Acadêmicos de Montenegro no ano 1988, quando a escola conquistou o campeonato estadual na categoria de escolas de samba do interior, em Porto Alegre.

Amiga de Ruben, a professora Maria Beatriz Rodrigues lembra que o publicitário era um exímio desenhista a lápis, tendo participado de exposições coletivas de arte na Pinacoteca Enio Pinalli na década de 1990. Ela recorda que ele também foi o criador da marca da AASEPAHC, um catavento. “Ruben era uma pessoa generosa e de muito conhecimento cultural. Quando foi diretor de Cultura e eu chefe do hoje DIPAHC, levou-me várias vezes a Porto Alegre para conhecer museus, casas de cultura e galerias de arte”, conta.

A professora recorda que ele também a ajudou a quebrar preconceitos. “Foi ele quem me apresentou o ‘prato feito’ do Mercado Público (de Porto Alegre) e me fez perder o preconceito com esses pequenos bares do Mercado”, conta. “A primeira vez ele inclusive pagou pra mim. (Eu) Achava que era um lugar não tão limpo e que a comida seguia o ritmo. Ele disse: ‘hoje tu vais perder essa ideia. Eu vou pagar o prato feito, se tu gostar voltamos outras vezes e daí tu paga teu prato’. Morremos de rir”, narra e lembra que, hoje, o Mercado Público de Porto Alegre é uma grande referência.

Quem também guarda boas lembranças de Ruben é o jornalista Rogério Santos. “Pensando em ir para a área da comunicação, ele foi, sempre com seu carinho, mostrando e apontando algumas coisas no sentido de como eu poderia me aprimorar”, lembra. Inclusive, um de seus primeiros estágios remunerados foi numa agência de publicidade da qual Ruben era sócio. Outra lembrança que o jornalista guarda do publicitário foi o esforço dele para retomar a força do Carnaval de rua em Montenegro quando ele foi diretor de Cultura de Montenegro.

Rogério se lembra de outra faceta de Ruben: era um renomado decorador na região. “O Ruben é um cara que, por causa da idade e da doença, teve que ir para o asilo, mas mesmo assim ele não perdeu aquele conhecimento todo. Cada conversa com ele era uma aula de cultura”, afirma o jornalista.

Na rede social Facebook, o Executivo de Montenegro, na pessoa do prefeito Gustavo Zanatta e da secretária de Educação e Cultura, Ciglia Silveira, manifestou pesar pela morte de Ruben.

Deixe seu comentário