Estamos em Medellín por tempo indeterminado

Se é pela nossa saúde e pela prevenção da saúde das outras pessoas, tudo certo. Se é para evitar que a Colômbia se torne outro país com muitíssimos casos do coronavírus, tudo certo. Se é pra diminuir o número de novos contágios, tudo certo. Se é pra manter o país capaz de cuidar dos casos já existentes da doença, tudo certo. Estamos isolados na Colômbia por, no mínimo, dois meses e TUDO CERTO!
Estamos superfelizes e confortáveis? Óbvio que não! Mas entendemos e concordamos com as medidas tomadas pelo país em que estamos há um mês. E vamos respeitar ao máximo cada medida de proteção.

Explicando o Corona na Colômbia
O presidente colombiano, Iván Duque, anunciou no último dia 16, que a partir de 17 de março, todas as fronteiras da Colômbia estão fechadas até 30 de maio. Segundo ele, em um acordo com as presidências do Brasil, Equador e Peru, as fronteiras colombianas não permitem nem a entrada e nem a saída de estrangeiros. Essa medida vale para fronteiras terrestres, marítimas e fluviais do país. A aérea segue aberta com muitas restrições.
O presidente ainda determinou que o transporte de carga para o ingresso e envio de produtos para pontos terrestres habilitados segue funcionando normalmente. Ou seja, quem está lá fora não entra, e quem está aqui dentro não sai, exceto veículos de abastecimento.
Além desse controle rígido dos limites do país com seus vizinhos, Duque ordenou o fechamento total do comércio (exceto supermercados, farmácias e postos de combustível) e quarentena geral até 12 de abril. A Colômbia é um dos países atingidos pelo COVID-19 na América Latina e até o fechamento desta edição tinha 470 casos confirmados, e quatro mortes.

Bogotá é a cidade com mais casos na Colômbia. “Conter o vírus está em nossas mãos. Bogotá fica em casa”

Não podemos sair de Medellín
Desde antes da quarentena, já estávamos “presos” em Medellínm Na verdade, não existia uma medida divulgada oficialmente de isolar os estados colombianos, porém, outros viajantes que também estão no país, relataram que ja não estavam conseguindo cruzar de uma região a outra. Segundo eles, a polícia e o exército estavam espalhados pelas rodovias e mais concentrados na entrada de grandes cidades.
Desde o início oficial da quarentena, dia 20 de março, está proibido transitar pelas ruas e rodovias sem um objetivo muito sério. Por isso, pelos próximos dias, estaremos em Medellín. no final da quarentena, tentaremos ir para outra região, buscar alguma cidade um pouco menor para passar esse período. De qualquer maneira, queremos deixar claro que estamos seguros, com outros viajantes de diversas partes do mundo, contando com ajuda do comércio e alguns moradores locais e fazendo nossa parte também: cuidando da gente para não prejudicar o outro.

O povo está em pânico?
Em Medellín, não estava até a última semana. Nos últimos dias, o medo tomou conta das ruas e as pessoas se tornaram bastante hostis com a gente. Nos vêem fora do kombi e, em diversos momentos, nos insultam e xingam, falando que a gente – por ser estrangeiro – trouxe o vírus para o país.
Estamos estacionados em uma praça, rodeada por pequenos comércios, restaurantes e bares, que só funcionam para tele-entrega. Na maior parte do dia, estamos isolados, dentro da kombi e sem muita gente por perto. Os poucos que passam, saem de casa para trazer os cachorros à praça ou ir ao supermercado.
Essa região se chama Antioquia, e tem 59 casos do vírus confirmados, enquanto Bogotá, a capital do país, tem 170. Na capital e na região costeira, mais próximo à turística Cartagena, sabemos que a situação  está ainda mais caótica.

Deixe seu comentário