Empreiteira aguarda entrega da plataforma elevatória para o prédio. Estrutura deve chegar no mês que vem. FOTO: ACOM/PREFEITURA

Nova prorrogação é mais um atraso em um processo iniciado seis anos atrás

Março passou e a data de entrega da reforma da Biblioteca Pública Municipal Hélio Alves de Oliveira, no Centro de Montenegro, não foi cumprida. Nas redes sociais, a Prefeitura chegou a postar nesta semana que o trabalho “segue sendo intensificado”, mas, conforme apurou a reportagem junto à secretaria de Obras Públicas (SMOP), ainda não foi entregue a plataforma elevatória que será instalada no local. Essa estrutura só deve chegar do fornecedor no mês que vem e a obra, agora, está prevista para terminar só em junho.

São meses a mais de uma espera iniciada no ano de 2012, quando a gestão Percival de Oliveira verificou que o prédio da rua Capitão Cruz precisava de adequações. Todos os livros foram, então, primeiramente para um prédio alugado e, logo no ano seguinte, realocados para a estrutura do antigo restaurante do Parque Centenário, onde estão até hoje.

De 2012 para 2013 teve troca de prefeito. Paulo Azeredo assumiu a Prefeitura e, nisso, cancelou o contrato com a empresa que reformaria o prédio. Ele pediu um novo projeto e orçou nova obra por um valor 64% menor, abrindo edital no início de 2014. Com aquele preço, no entanto, só uma empresa enviou proposta para assumir os trabalhos, mas pedindo o valor um pouco maior. O prefeito não aceitou.

Novas readequações de orçamento depois, um novo edital foi lançado em 2015 e uma empreiteira, enfim, venceu o processo para realizar a reforma. Mas logo depois veio o impeachment, entrou Luis Américo Aldana na Prefeitura e o contrato existente foi rompido. O novo prefeito também quis readequar a reforma e contratou outra empresa. Essa acabou entrando na Justiça ao discordar de algumas regras do contrato, o que trancou a obra da Biblioteca por mais um tempo.

Só em julho de 2016 que os trabalhos foram iniciados, com previsão de entrega, então, para novembro daquele ano. No meio da obra, outras adequações se mostraram necessárias e o ritmo da obra acabou desacelerando até que, alegando dificuldades financeiras, a Prefeitura paralisou por completo a reforma. Só em março de 2017 que ela foi retomada, apenas para ser interrompida logo depois, durante as investigações da Operação Ibiaçá, que denunciava licitações fraudulentas no Município.

Essa investigação culminou no impeachment de Aldana e na entrada do atual prefeito, Carlos Eduardo Müller, o Kadu. Após promover novas análises no projeto, ele recomeçou a obra – essa, que acaba de ser prorrogada – em novembro do ano passado. A contratada da vez é a empreiteira Upper Engenharia e o trabalho atual prevê um investimento de recursos próprios de R$ 279.225,00. Com tantos percalços, é grande a expectativa para que a Biblioteca, enfim, volte para casa no segundo semestre deste ano.

Deixe seu comentário