Prefeito Aldana acompanhou o depoimento das testemunhas de defesa

A comissão encarregada do processo de impeachment do prefeito afastado Luiz Américo Alves Aldana encerrou há pouco a fase de depoimentos das testemunhas de defesa. Na parte da tarde, o depoimento mais importante foi o da secretária municipal de Educação e Cultura, Silvana Schallenberger. Ela reiterou que já havia dito em entrevistas à imprensa a respeito da licitação para o transporte dos estudantes. Segundo a titular da pasta de Educação, antes do prefeito Aldana assumir haviam muitos problemas no que diz respeito à qualidade do serviço e questões de segurança dos alunos.

Silvana também afirmou que o prefeito sempre atuou no sentido de garantir a qualificação do transporte escolar. Ela lembrou que na época em que assumiu o cargo chegaram a ser identificados casos de cobrança por fora. Quando o prefeito determinou a qualificação do atendimento às crianças isso teria provocado também uma elevação no valor do quilômetro rodado pago aos transportadores. Segundo Silvana, em nenhum momento o prefeito requereu para ele ou para qualquer outra pessoa algum tipo de vantagem e determinou que a secretaria municipal de Educação e Cultura (Smec) agisse no sentido de garantir a qualquer um dos envolvidos alguma vantagem pessoal ou para suas empresas. Silvana também lembrou que as planilhas de custo por quilômetro rodada eram elaborada pela secretaria municipal de Obras Públicas (Smop).

Também na parte da tarde foram ouvidos os depoimentos da servidora Ivone Gonçalves, que trabalha no Departamento de Recursos Humanos da Prefeitura. Ela garantiu que as férias gozadas pelo prefeito no mês de janeiro e que fazem parte da investigação foram absolutamente legais. Por fim, foi ouvida a procuradora do município, Viviane de Vargas, mas ela proibiu a divulgação de seu depoimento e de sua imagem.

Algumas testemunhas não puderam comparecer durante o dia de hoje e serão ouvidas em outro momento. Adão Vargas Aloy, ex-secretário de Administração, e o ex-deputado federal Beto Albuquerque não estiveram na Câmara de Vereados. O senador Lasier Martins deve ser ouvido dia 18, em Porto Alegre, e o juiz Jaime Alves de Oliveira no dia 17, em Santa Cruz do Sul. Ainda há dúvidas de como será feita a coleta do depoimento do depoente Valmir José D’Ávila, que está preso desde a semana passada por orientação da Justiça no âmbito da Operação Ibiaçá.

Deixe seu comentário