No ato de agressão, uma das vítimas recebeu vários pontapés, mesmo depois de estar desacordada. Foto: Arquivo Jornal Ibiá

Foi realizada na manhã dessa quinta-feira, dia 17, a terceira e última audiência do caso que envolve uma briga entre integrantes das torcidas organizadas do Grêmio, Geral e Super Raça Gremista, ocorrida em dezembro do ano passado, em um posto de combustíveis, na margem da BR-386, próximo ao posto da Polícia Rodoviária Federal de Montenegro.

O torcedor Crystian Flores Oliveira foi ferido com garrafas, pedras, chutes e socos, sendo que as agressões continuaram mesmo após estar caído no chão, tudo gravado pelas câmeras do circuito interno do posto. Os agressores Mauro Henrique Comoretto Marques, Edson Costa Alencar e Mateus Machado Martins foram identificados pelas vítimas, bem como pelas imagens das câmeras de segurança do local.

O Ministério Público denunciou os réus por tentativa de homicídio. Eles ficaram presos preventivamente de dezembro de 2019 até julho deste ano.

Conforme a Juíza do caso, Priscila Gomes Palmeiro, da 1ª Vara Criminal da Comarca de Montenegro, foram realizadas três audiências para oitiva das vítimas, testemunhas e réus. No dia 28 de julho, foi realizada a primeira audiência virtual com a oitiva de cinco testemunhas de acusação e três de defesa. Na ocasião, também foi revogada a prisão preventiva dos três acusados, sendo substituída pelas seguintes medidas cautelares: não frequentar bares onde seja vendida bebida alcoólica, nem estádios de futebol, além de comparecer mensalmente em juízo para justificar atividades.

Em 27 de agosto, as duas vítimas do processo foram ouvidas pela magistrada, além do interrogatório dos réus Edson Costa Alencar e Mateus Machado Martins, todos de forma virtual.

Ontem, 17, foi realizado o interrogatório do réu Mauro Henrique Comoretto Marques, também de forma virtual, encerrando a fase de instrução do processo. Agora, o Ministério Público e a defesa dos réus têm prazo de cinco dias para apresentação de memoriais. Até o final do mês de outubro, a Juíza Priscila Gomes Palmeiro deverá decidir sobre a sentença de pronúncia.

Fonte: Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS)

Deixe seu comentário