Obra da EMEI Centenário depende da contratação de empresa para ter sequência

Serviço teve início há quatro anos, mas está em compasso de espera desde agosto de 2019

Inicialmente prevista para ser concluída em fevereiro de 2017, a obra da Escola Municipal de Ensino Infantil (Emei) do bairro Centenário segue inacabada. Em compasso de espera, a construção aguarda a contratação de uma empresa por parte da Prefeitura para ter sequência e, finalmente, ser finalizada. A estimativa da Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Smec) é que obras da escola sejam retomadas ainda em 2020.

A estrutura da Emei Centenário fica localizada na rua Vereador João Vicente, no bairro Centenário. O serviço iniciou em setembro de 2016, logo depois que a Administração Municipal anunciou um investimento de R$ 1.403.607,20 de verba pública para a construção da escola. O limite para conclusão da obra era de 180 dias. No entanto, mais de quatro anos – ou 1.450 dias – se passaram, e a construção ainda não foi entregue.

Quatro anos após o início da construção,
somente as paredes da escola foram erguidas

As obras tiveram um andamento satisfatório no início. A conclusão estava prevista para março de 2017 e, nos primeiros três meses, o serviço “fluiu bem”. Porém, depois se arrastou por cerca de três anos e, em agosto de 2019, a empresa licitada rescindiu o contrato alegando “N motivos”, de acordo com a secretária de Educação e Cultura, Rita Carneiro Fleck. “A empresa não deu conta de fazer o serviço e abandonou a obra”, relata.

Agora, a Secretaria Municipal de Obras Públicas (Smop) está analisando a habilitação das cinco empresas que se candidataram para executar o serviço. O reinício das obras ainda depende da licitação, mas Rita Carneiro Fleck está otimista para a retomada da construção da escola. “Não paramos em nenhum momento de buscar dar sequência a esta obra. Sofremos muito enquanto Secretaria de Educação. Não posso precisar uma data, mas a retomada vai ser ainda este ano, com certeza”, afirma.

A secretária frisa que os trâmites para a contratação de uma empresa são burocráticos. Além disso, depois que a empresa rescindiu o contrato em agosto do ano passado, o serviço teve que ser todo replanejado. “A ação de fazer (a creche) é da Administração Municipal. É prioridade para nós ter a Emei Centenário pronta à disposição da comunidade. E acredito que o serviço nunca esteve tão encaminhado como agora”, declara Rita.

Por enquanto, não há prazo de quando a escola poderá atender a demanda da população montenegrina. A estrutura terá seis salas de aula, mais áreas administrativas e de serviços. Entretanto, quatro anos após o início da construção, apenas as paredes do prédio foram erguidas. Quem passa próximo à obra na rua Vereador João Vicente, percebe um cenário de abandono.

Deixe seu comentário