Com a volta ao RS no ano passado, rede abriu na capital gaúcha uma grande “loja conceito” com dois andares. FOTO: LUIZA PRADO

O plano de expansão das Lojas Pernambucanas está alcançando Montenegro. A empresa confirmou a abertura de filial no Município e pretende inaugurar a unidade ainda em dezembro deste ano. A nova loja terá o sortimento completo da companhia em Moda, Beleza, Lar, Eletroportáteis, Telefonia e Informática. Também trabalhará com a oferta dos produtos e serviços financeiros da marca, como a Conta Digital Pernambucanas e o Cartão Pernambucanas.

Há dias que a equipe trabalha na reforma do espaço para abrir no mês previsto. Inclusive no feriado desta quinta-feira, 31, os trabalhos seguiram na edificação na rua Ramiro Barcelos. A unidade está sendo instalada no número 1.793 da principal rua de Montenegro, onde antes funcionava a Móveis Fachini, em frente ao cinema. Segundo o engenheiro responsável, a loja terá cerca de 800 metros quadrados.

Nesta primeira fase, são 21 empregos gerados pela filial. Como adiantado pelo Ibiá, a rede varejista já promoveu parte de seu processo seletivo no início da semana, em espaço alugado na sede do Senac Montenegro. Por dois dias, a “Emprego Ligado” conduziu entrevistas e aplicou provas para a seleção em cargos como fiscal de loja e assessor de vendas. Chegou a haver filas de interessados no trabalho. O valor investido em Montenegro não foi divulgado pela empresa.

Prédio, no número 1.793 da Ramiro Barcelos, está sendo reformado para receber o novo empreendimento

“Quem bate? É o frio!” Marca marcou história no Município

Fenômeno no comércio brasileiro nas décadas de 50, 60 e 70, a Pernambucanas já teve loja em Montenegro no passado. Os mais antigos, sem dúvida, lembram do famoso slogan da empresa, que lembrando que o frio estava “batendo”, estimulava a compra de roupas na loja.

Por aqui, a empresa funcionava próxima do Edifício Riograndense, também na Ramiro Barcelos, mas um pouco mais abaixo do novo endereço. Ostentava sua marca com uma fachada impactante que era destaque na época. Também investia fortemente em outros meios de publicidade. Eram muitas as propriedades do interior que estampavam, em postes e porteiras, a marca da rede, pintada a cal.

Inaugurada há mais de 110 anos, a Pernambucanas começou em Pernambuco, quando um investidor sueco radicado no Recife adquiriu uma fábrica de tecidos no início do século 20. Os negócios foram crescendo, foram diversificando e a marca acabou se tornando sinônimo de qualidade, versatilidade e tradição entre os brasileiros.

Antiga unidade no Município também era na Ramiro, mas duas quadras abaixo no novo endereço. FOTO: ACERVO DE ERNESTO LAUER

QUEDA E RETORNO

Com o passar dos anos, no entanto, a varejista foi perdendo força para outras marcas. Acabou fechando a loja em Montenegro e chegou, inclusive, a sair do Rio Grande do Sul por completo. Nos bastidores, as coisas também desandaram. Brigas entre herdeiros iniciaram uma disputa judicial, que durou por anos. De um lado, a bisneta do fundador e, de outro, os seus sobrinhos, a “luta” pelo controle de 25% da companhia só foi resolvida em 2017, com acordo homologado pelo Superior Tribunal de Justiça (STF). O impacto também foi sentido nos negócios, com grande perda de receita e espaço ano a ano.

Mas foi esse acordo no STF que deu fôlego para a recuperação que se vê, agora. A sentença, que favoreceu os sobrinhos, abriu porta para a Pernambucanas fazer mudanças em seu modelo de negócios. Deixou o setor de eletrodomésticos, para o qual também se dedicava, e estabeleceu uma gestão profissional com mais autonomia. As mudanças foram dando certo. Em 2018, a receita líquida já teve um crescimento de 17,6%, com expansão das vendas. Após anos, era a oportunidade de voltar a crescer e retornar ao Rio Grande do Sul.

Com novo fôlego, plano de expansão prevê 368 lojas até 2021

A crise na Pernambucanas foi forte. Para a empresa, que chegou a ter mais de 700 lojas abertas em todo o país, com atuação em nove estados, a redução foi drástica: chegou à pouco mais de 200 unidades. Agora, com novo fôlego, a rede está apertando o passo de volta ao crescimento. A unidade de Montenegro é uma das mais de cem que devem ser inauguradas de agora até 2021. O plano é totalizar 458 filiais nesse período, com margem para crescer ainda mais.

Com o retorno às terras gaúchas, Porto Alegre, Passo Fundo e Pelotas já receberam investimentos. Os mais recentes foram em Cachoeirinha e em Canoas. “Sabemos do potencial da região e da sintonia da Pernambucanas com as famílias gaúchas”, destacou a empresa, em nota, sobre a nova loja montenegrina. Pela estratégia de expansão, a Pernambucanas busca o resgate de seu público “clássico”, com força nas ruas e em cidades de menor porte, ao contrário de redes como Renner e Riachuelo, que focam na instalação em shopping centers. A expectativa, de acordo com o presidente da organização, Sérgio Borriello, é tomar de volta o domínio do varejo brasileiro.

Deixe seu comentário