Jairo Antônio Gonçalves, atleta, jiu jitsu, superação, faixa marrom
Jairo se tornou faixa marrom no dia 22 de agosto. Sua próxima meta é alcançar a faixa preta, para a qual não lhe falta disposição

Artes marciais. Jairo Gonçalves é exemplo de dedicação na Academia JA

Um aluno dedicado, focado, persistente e, acima de tudo, exemplar. Tudo isso com 56 anos de idade. Este é Jairo Antônio Gonçalves, pai de quatro filhos, marido, técnico de operações no Polo Petroquímico e atleta da Academia JA Jiu Jitsu. Disposição não falta para ele, que recentemente trocou de faixa e se aproximou do seu grande objetivo na arte marcial: tornar-se faixa preta.

Jairo é faixa marrom na modalidade desde o dia 22 de agosto. Na oportunidade, o lutador acertou todas as questões na prova teórica e também teve desempenho impecável na prova prática. “É um passo muito grande. Tem que estudar muito. A prova coincidiu com as minhas férias no trabalho, aí pude me dedicar ainda mais”, ressalta.

Em novembro deste ano, Jairo completa sete anos na Academia JA. Antes disso, não praticava nenhum esporte. “Desde criança, eu gosto de lutas, assistia bastante na televisão. Não fazia nenhuma outra modalidade, e vi no jiu jitsu um esporte que eu poderia fazer. Me identifiquei com essa arte marcial desde que entrei na academia”, comenta o atleta, que começou a lutar aos 49 anos.

Após quase sete anos no jiu jitsu, o montenegrino garante que fez a escolha certa ao ingressar no esporte. “Estava levando uma vida parada e percebi que precisava sair daquela inércia, fazer alguma atividade física e melhorar minha qualidade de vida. E o jiu me ajudou muito, principalmente na questão da saúde. Hoje me sinto bem melhor, tenho muito mais disposição para fazer as coisas”, enfatiza.

Jairo é um dos poucos atletas com mais de 50 anos no Estado. Por isso, ele dificilmente faz uma luta oficial, já que não tem oponentes para enfrentar. “Para mim, competir é difícil. Muitas vezes, fui para campeonatos e não tinha adversários. Então, meu grande foco é o treinamento”, observa o lutador, que é exemplo de incentivo para pessoas da sua idade e motivação para atletas mais novos. “Nas aulas, os mais jovens me veem realizando determinados exercícios e querem mostrar que também podem fazer”, acrescenta.

A rotina do novo faixa marrom de jiu jitsu é desgastante. Desde 1987, trabalha no Polo Petroquímico, às vezes está de plantão no turno da noite e, muitas vezes, entra na escala dos finais de semana. Em casa, divide as tarefas com a esposa e com os filhos. Inclusive, um dos seus quatro filhos já praticou jiu jitsu com ele, mas não continuou no esporte devido à faculdade e ao trabalho. Apesar disso, em breve, Jairo vai ter a companhia da filha mais nova nas aulas. “Vou começar a trazer a pequena de oito anos para treinar também”, declara.

O grande objetivo de Jairo no esporte está perto de ser alcançado, e não faltará dedicação do atleta para isso. “A próxima meta é chegar na faixa preta, seria o ápice. Não é comum na minha idade, tem que ter persistência. O Luciano Pinto (treinador de Jairo) é fera. Tem uma experiência muito grande no esporte, sabe o que é bom e o que não é para mim. Me incentiva muito”, enaltece o aluno mais experiente da Academia JA.

Jairo Antônio Gonçalves, atleta, jiu jitsu, superação, faixa marrom
Jairo se tornou faixa marrom no dia 22 de agosto. A próxima meta é a faixa preta

Treinador destaca a dedicação do seu atleta de 56 anos
Luciano Pinto já treinou centenas de atletas nos 11 anos da JA Jiu Jitsu em Montenegro. Lutadores de várias idades e faixas já passaram pela academia da cidade. Porém, a grande inspiração de Luciano é justamente Jairo, seu aluno mais experiente. “Ele é um exemplo de dedicação, de garra. Nunca precisei cobrar treino dele. Me espelho no Jairo. Quero chegar na idade dele treinando como ele treina. Se conseguir, estarei muito satisfeito”, destaca o professor.

A disposição do lutador de 56 anos deve servir de exemplo para todas as gerações, afirma Luciano. “Ele fica bravo quando não pode vir treinar e reclama menos de dor do que eu. Poucos atletas chegam na faixa marrom e o Jairo sempre passou muito bem nos exames de graduação. Ele gosta do jiu jitsu. As pessoas pensam que a partir de uma idade não conseguem praticar esporte, mas conseguem sim. Basta seriedade e força de vontade”, completa.

Deixe seu comentário