Seu carro também precisa de proteção e há produtos específicos que podem ajudar a minimizar os problemas

DICAS. Água e sabão podem reduzir o efeito salino da maresia nos metais e nas borrachas

A maresia das praias é um forte agente de deterioração que pode afetar diversas partes integrantes do veículo. E mesmo que a visita ao Litoral seja de um dia, é preciso ter cuidado com seus efeitos. Peças metálicas estão sob risco, mas a pintura também é sensível ao efeito salino.

A partir da década de 1980, as peças de funilaria do carro começaram a ser tratadas com produtos anticorrosivos antes de ser aplicada a pintura. Por isso, os problemas decorrentes da maresia diminuíram cerca de 90%. Mas, apesar deste tratamento na lataria, se ela estiver danificada, até com um simples arranhão, a avaria pode expor o carro ao efeito da maresia. Assim, é recomendado não esperar muito tempo para consertar batidas e arranhões.
O período mais crítico de exposição é durante a noite, portanto a dica é guardar o carro em um local fechado para amenizar os danos. Para quem mora à beira-mar, o indicado é lavar o carro semanalmente, e encerá-lo todo mês. Outros serviços como o polimento e a cristalização também podem ser utilizados, por oferecerem maior proteção.

Quem viajou para a praia deve tomar alguns cuidados no retorno. Se a viagem foi curta, é suficiente fazer uma boa lavagem, utilizando produtos neutros. Porém, se a viagem durou mais de 15 dias, a lavagem deve ser especial, realizada com a retirada de bancos, carpetes e feltros.

Assim, em relação aos componentes em geral, após a viagem é importante que sejam avaliadas suas condições. Uma boa alternativa é levar o carro a uma oficina mecânica para realizar revisão. Aliás, vidros de janelas e faróis sofrem o mesmo efeito e pedem a mesma manutenção.

Peças de borracha
Os danos causados não são apenas nas peças e estruturas metálicas. As borrachas são um tipo improvável de material que também poderá ser danificado. As principais vítimas são as palhetas do limpador de para-brisa, além das coifas (como as da alavanca do câmbio e dos amortecedores) que poderão furar em contato constante com a maresia.

E uma recomendação geral de viagem que não guarda relação com a maresia diz respeito à temperatura do veículo. Ao viajar, você deve ter uma atenção redobrada com essa questão. Ao rodar grandes trajetos sob um sol escaldante, é comum a ocorrência de superaquecimento do motor, o que poderá causar danos irreversíveis ao veículo. Por isso, fique atento ao ponteiro do painel que indica a temperatura e verifique constantemente o nível de água do radiador.

Parte elétrica e suspensão
Os terminais da bateria e conectores elétricos são passíveis de oxidação. Por isso, deve-se verificar se eles estão livres de água e areia, para que não influenciem o funcionamento do motor. O sal trazido pelo ar acumula nestes pontos.

Atenção especial também ao sistema de suspensão. As coifas dos amortecedores também podem ser avariadas por resíduos de areia e sal, prejudicando o funcionamento do conjunto. Da mesma forma as caixas de direção são passíveis dos efeitos da maresia. Novamente em estadia longa, lembre de realizar a manutenção da caixa de direção e dos amortecedores na volta.

Uma boa limpeza desses itens do veículo poderá ser uma medida paliativa. Dessa maneira, ao realizar a lavagem da lataria, não se esqueça de direcionar um bom jato de água na direção de todo o sistema de suspensão.

Filtros de ar e lubrificação
Grãos de areia podem ser absorvidos pelos filtros de ar do motor e da cabine, ficando presos em algumas partes do veículo. Com isso, os filtros não cumprirão corretamente sua função, causando diminuição da ventilação interna e aumento dos resíduos. Já a presença de partículas de areia no sistema de lubrificação acentua o desgaste das peças. Desse modo, é outro item importante de ser verificado após a volta da praia.

Na mesma linha está o ar-condicionado, que em elevadas temperaturas é acionado, de maneira instintiva, em potência máxima. Inclusive para reduzir gasto de combustível deve-se baixar os vidros e rodar por alguns instantes antes de ligar o ar-condicionado. Depois ligue gradualmente, pois ao sair ar quente do motor algum volume de maresia também sairá sem circular pelos circuitos.

Escapamento e demais peças metálicas
No caso do cano de descarga, a estrutura poderá, até mesmo, apodrecer ou apresentar furos devido a reação dos componentes salinos dissolvidos na água em contato com a estrutura metálica. O mesmo vale para o estabilizador, que não fica imune à maresia.

Pensando em resguardar toda a parte inferior do veículo, é interessante realizar a aplicação de uma cera ‘selante’, cuja função é amenizar os efeitos da maresia. Em serviços de lavagem especial ou em lojas especializadas você poderá solicitar a utilização desse produto ou adquiri-lo para realizar a selagem por conta própria.

Ao retornar do litoral, ou em um prazo máximo de 15 dias após, é fundamental lavar o fundo do veículo para que a cera não impregne no metal e passe a reter sujeira. É recomendado, inclusive, a utilização de lavadoras de alta pressão para uma retirada mais efetiva de todo o produto.

Saiba Mais
A melhor proteção contra a maresia para a pintura é a vitrificação. O processo que custa em média R$ 1 mil cria uma película sobre o veículo que protege contra seiva de árvores, fezes de pássaros e maresia. Sua duração é de três a cinco anos, dependendo do produto aplicado, com manutenções periódicas a cada seis meses. Também existem ‘selantes’ específicos para borrachas, plásticos e vidros.

O que é a maresia
Maresia é uma névoa de água salgada do mar que acelera a formação da ferrugem, graças à água e aos sais minerais presentes em sua composição, que facilitam a oxidação.

Deixe seu comentário