Com tempo chuvoso, população fica em alerta para raios

Saiba qual o real risco dos raios e como se prevenir contra eles

Os temporais dos últimos dias têm deixado os moradores do Vale do Caí preocupados. Ventos fortes, raios e muita chuva fazem a população procurar, rapidamente, abrigo em casa ou até em estabelecimentos comerciais. Com a chegada de tempestades, raios são comuns e muitas pessoas têm medo da incidência deles. E não é para menos.

Mesmo com todos os alertas repassados à comunidade quanto ao risco dos raios, algumas pessoas deixam de tomar as devidas providências em um dia tempestuoso. Ainda existem casos de pessoas que acabam se machucando ou perdendo a vida por descuido, ou até mesmo desinformação. Os acidentes podem ser evitados com medidas simples tanto dentro, quanto fora de casa.

Os professores de elétrica Rui Fernando Cruz e Adriano Lenhart da escola São João Batista explicam que é prudente ter medo do raio, pois nem imaginamos a força de um.

Como se proteger dos raios?
Lenhart comenta sobre a importância dos para-raios, salientando sua real utilidade. “A população acha que o para-raios é usado para realmente parar os raios, aparar. Não é isso. O para-raio é usado para “puxar” o raio e ir descarregando ele para que não gere alta descarga elétrica”, pontua. Ele explica ainda que, apesar de conseguir descarregar a energia do raio, a casa pode ficar levemente eletrizada por conta do campo de energia, mas, mesmo assim, o seu uso é muito eficaz.

Os profissionais ainda alertam para o uso de eletrônicos na tomada durante um temporal, salientando que quanto mais deles puderem ser desligados da rede de energia nesses momentos, melhor. Assim, se evitam choques e estragos de bens.

Entrando no assunto de proteção em caso de tempestades com fortes raios, Rui afirma que guardas-chuvas e sombrinhas são perigosíssimos nessas circunstâncias. “Tu tá segurando acima do teu corpo, uma coisa que geralmente é feita de metal, e com os pés no chão, se tornando um condutor”, alerta. Isso ocorre porque, segundo os professores de elétrica, os pontos mais altos sempre são os mais propícios a serem atingidos por grandes descargas elétricas.
Sendo assim, Adriano é claro: “Não ficar em pontos altos como a torre de um prédio, por exemplo”, alerta.

Rui ainda lembra dos Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS), que apesar de não obrigatórios como os para-raios em prédios, também é bastante eficaz. Esse dispositivo se trata de um aparelho usado junto ao medidor, afastando raios da residência.

Campo aberto

Como agir em um dia de forte tempestade em campo aberto? Essa é uma das preocupações mais comuns entre a população. Adriano e Rui já advertem desde o início que o medo não é em vão: Lugares abertos são os mais perigosos para incidência de raios. Nesse momento, o melhor a se fazer, caso não haja nenhum lugar fechado para correr, é literalmente sentar e esperar. “É mil vezes melhor ficar quieto e no chão, lugar baixo, do que sair caminhando, correndo”, alerta Adriano. Isso também serve para locais abertos como pistas de aeroportos, vias e térreos.

Porém, se um carro estiver por perto, deu sorte grande. “Os pneus se tornam o elemento isolante. O raio cai, pode até furar o pneu, pra descarregar a energia na terra, mas tu está ali seguro, tendo grandes possibilidades de sair ileso”, afirma Rui. “Quando se está dentro do carro, fica protegido do choque elétrico, porque as estruturas recebem descargas e quem está dentro não é atingido”, acrescenta Adriano.

Deixe seu comentário