Foto: freepik

ENTIDADES de proteção incentivam às vítimas a denunciarem agressões

De janeiro à junho deste ano, a Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM) do Vale do Caí registrou aumento em diversos tipos de violências praticadas contra mulheres, na comparação com o mesmo período de 2019. Os números que mais chamam à atenção se referem aos crimes de Ameaça (172 em 2019 e 270 em 2020), Vias de Fato (44 em 2019; contra 86 em 2020), e Tentativa de Feminicídio ( 2 em 2019 e 5 em 2020).

A pandemia do novo coronavírus potencializou o risco de violência enfrentado por mulheres, que agora passam mais tempo junto aos seus agressores. Na semana passada, por exemplo, uma mulher foi socorrida por Policiais Militares quando corria em via pública, para fugir de seu agressor. O fato ocorreu em São Sebastião do Caí. Com vários ferimentos, uma ambulância foi acionada para levá-la ao hospital. O companheiro foi detido pela BM.

O caso registrado no município vizinho a Montenegro não é isolado. Ao contrário. A violência contra mulheres está presente em praticamente todas as cidades de atuação da DEAM. Os números que chamam à atenção seriam ainda maiores se todas as vítimas denunciassem a violência sofrida, mas, muitas vezes por medo, ou por não terem condições financeiras de se manter longe do companheiro, elas acabam “abafando” as humilhações e agressões físicas.

Durante o período de isolamento social, diversas campanhas são realizadas para encorajar as denúncias. “Muitas mulheres podem estar sofrendo violência. Toda a sociedade precisa se engajar nas campanhas para proteger as mulheres, divulgando os canais para encorajar e empoderar as vítimas para efetuarem denúncias”, enfatiza Carliane Pinheiro (Kaká), presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (Comdim) de Montenegro.

A delegada responsável pela DEAM, Cleusa Spinato, lembra que os registros (os quais não forem solicitadas medidas protetivas) podem ser realizados pela internet, através da Delegacia Online. “Na primeira fase, quando pergunta se é violência doméstica, tem que colocar não, e depois no histórico relatar que é caso de violência doméstica”, acrescenta a delegada sobre o procedimento para registro.

Número de tentativas de assassinato contra mulheres cresce 19% no RS

Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP-RS), houve um aumento de 19% no número de tentativas de homicídios contra as mulheres (tentativas de feminicídio), subindo de 31 para 37.

Visitas da Patrulha Maria da Penh, da Brigada Militar, oferecem mais segurança às vítimas de Violência. Foto: Arquivo Jornal Ibiá

Entretanto, o número de feminicídios consumados no Rio Grande do Sul registrou queda de 45,4% no mês de maio, em relação ao mesmo período do ano passado. Foram 11 mortes em 2019 ante 6 em 2020. Essa queda interrompe uma sequência de quatro meses seguidos de alta nos registros desse tipo de crime.

Contatos para denúncia em Montenegro:
Brigada Militar: 190
CAPS: 3632-5317
COMDIM: 3649-0019
Conselho Tutelar: 99707-9723 ou 3649-8279
CRAS: 3649-1110
CREAS: 3649-1480
CUFA: 99609-9049
DEAM: 3649-0023
Def. Pública: 3632-9201
Disque: 180
Hospital Montenegro: 3632-1233
Judic./Plantão: 9991-6339
OAB Montenegro: 3632-5767
RECREO: 3632-2275
Sec. de Saúde: 3632-3102
SMEC: 3632-5447
Unimed: 3632-0900

Deixe seu comentário