Vih Fischer, promotora de eventos, investiu em materiais que agora estão parados

Setor de eventos é um dos mais prejudicados com a pandemia

Aniversários, formaturas, casamentos, chás de bebê, todos tiveram de ser cancelados ou adiados. Com a pandemia do Covid 19, grande aglomerações foram proibidas e o setor de eventos foi um dos mais atingidos. Hoje esse segmento da economia emprega centenas de pessoas em Montenegro, e região, que agora aguardam pela compreensão de quem contrata e de uma rápida recuperação.

São promotores de eventos, cerimonialistas, floristas, fotógrafos, buffets, seguranças, garçons, sonorização, decoração, maquiagens e cabelos, etc. A cada festa, dezenas de profissionais se envolvem, desde a organização até a retirada dos materiais. Todos agora estão sem trabalho. Há vinte anos nesse setor, a promotora de eventos, Vi Fischer, relata que “esse ano começou muito bom, as pessoas procurando novamente a gente pra fazer festas grandes, e aconteceu isso tudo”, diz. 2018 e 2019 foram anos de encolhimento, já que a maioria optou por eventos menores.

Com sete pessoas no seu quadro de trabalho, Vi precisou demitir todos, mas já se preocupa com o futuro. “Eu dispensei o meu pessoal com o coração na mão, e estou pensando que em setembro começam muitas festas, e como vou fazer para ensinar os outros caso os meus estejam em outros lugares?”.

Todos as festas que a promotora estava organizando até agosto foram adiadas, e transferidas para setembro em diante. “Eu fiquei muito chateada com tudo isso. Graças a Deus ninguém cancelou ainda, só foram adiados, mas isso pra nós vai criar uma quebra de agenda, acumulando eventos no segundo semestre”, fala.

Com três pavilhões cheios de objetos e móveis de decoração, ela explica que em todo evento é necessário investir em novos materiais, e que algumas coisas são alugadas. “Nós temos um grupo de decoradores parceiros com gente de toda a região, e cada um aluga para o outro o com preços acessíveis”, fala.

Vi Fischer recomenda que todos os clientes que sabem que vão fazer a festa, porém não sabem o dia, mas já tem o valor guardado, ajudem o fornecedor. “Faz o contrato, assina, de certa forma tu vai estar ajudando o promotor para continuar de portas abertas, porque vamos ficar até final de agosto, no mínimo, sem trabalhar”, explica.

Para Vi a melhor coisa da vida é ver as pessoas felizes, e que neste momento está complicado adiar as festas, mas necessário. “As pessoas que tiveram que adiar os sonhos, é aquela frase que todos nós [promotores de eventos] falamos ‘sonhos adiados também vivem, vão ser realizados no tempo certo’, tenham fé que vai dar certo”, completa.

Deixe seu comentário