Nos dias quentes, o mau cheiro dos contêineres é grande foco de reclamação

Moradores e donos de estabelecimentos questionam benefícios e problemas gerados pelo mau uso dos recipientes

FOTO enviada por leitora demonstra como fica o local nos momentos em que não há contêiner no local

Ruim com, pior sem. É basicamente esta a constatação dos moradores e donos de estabelecimentos do Centro em relação aos contêineres para coleta de lixo dispostos ao longo das ruas. Na Ramiro Barcelos, a questão é polêmica. Quando tem os recipientes, as reclamações se referem ao mau-cheiro, ao mau uso e às pessoas que os empurram de um lado para o outro. Quando eles não estão na rua, aí são utilizadas as cestinhas particulares e, sem o espaço adequado, muito do lixo vai para o chão e acaba espalhado.

A Prefeitura explica que a ideia inicial dos contêineres era voltada somente para a Ramiro, com pares colocados nas quadras para acomodar resíduos úmidos e secos, separadamente. Devido à demanda, a gestão da época resolveu separá-los e dividi-los em diversos pontos da cidade, atendendo a locais com maior acúmulo de resíduos. Ocorre, com isso, uma rotatividade, com os contêineres sendo remanejados conforme a necessidade da população.

Foi isso o que aconteceu na quadra entre as ruas Osvaldo Aranha e Santos Dumont. Logo após o ano novo, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente atendeu a solicitação de alguns estabelecimentos que, devido ao calor, sofriam com o mau-cheiro dos resíduos. Isso não contentou a todos. “Daí tem que deixar o lixo no meio da rua, porque não tem onde colocar”, lamentou o empresário Iloni Pereira, que sofre com o problema.

Por vezes, os recipientes acabam sendo arrastados de um lado para outro

Iloni aponta que são poucos os que utilizam as cestinhas particulares, visto que muitas pessoas largavam lixos “avulsos” nos locais, como papéis de bala e latinhas – resíduos soltos que acabavam não sendo recolhidos pela coleta seletiva. Por isso, a importância dos containers. O problema, segundo ele, é que muitas lojas largavam isopores e caixas nos recipientes, ocupando um grande espaço e fazendo com que alguns usuários tivessem que colocar seu lixo na parte de fora, o que também não é correto.

Outra proprietária de estabelecimento, que prefere não se identificar, conta que já mandou reclamações para a Prefeitura, denunciando a situação. Os contêineres foram recolocados na quadra na última sexta-feira. Eles ali, no entanto, muitas vezes acabam sendo empurrados, indo até parar na frente da garagem de prédios. As lancherias e restaurantes da região, ainda, ao descartar seus resíduos de alimentação, contribuem muito para o mau-cheiro e a sujeira, fato que leva muitos dos residentes a questionar se não seriam necessárias mais regras ao setor.

Prefeitura estuda a colocação de outro recipiente
Via assessoria de comunicação, o secretário municipal de Meio Ambiente, Rafael de Almeida, disse que se estuda a colocação de um terceiro recipiente na quadra que, desde sexta, tem dois. “A Secretaria, neste momento, está fazendo um levantamento de todos os contêineres da Rua Ramiro Barcelos para ver a possibilidade de recolocar mais um na referida quadra. Como não há equipamentos sobrando, teremos que fazer um manejo de algum em local ocioso, se assim o estudo permitir. Ainda, estamos buscando recursos e fazendo projetos para futuras aquisições”, informou.

Deixe seu comentário