Pilha de alimentos arrecadados ainda está para ser contada. Estimativa é que sejam quase duas toneladas

“É de arrepiar o engajamento das pessoas pela solidariedade”, comentava o gerente de vendas da Sinoscar Montenegro, Igor Castilhos, ao voltar de uma manhã de muita caminhada atrás de doações de alimentos por Montenegro. A Caravana do Bem, capitaneada neste domingo, 31 de maio, por ele e sua equipe, percorreu as ruas de dez bairros da cidade em prol de quem mais precisa. Arrecadou 1.625 quilos de alimentos não perecíveis junto à comunidade. Agora, a empresa ainda dobrará a quantidade, por sua conta. Mais de três toneladas serão doadas à Cáritas, dando suporte a muitas famílias carentes que são atendidas pela entidade.

“A gente sabe que todo mundo está sofrendo nesse momento, com retenção de custos. Mas sempre tem alguém que está precisando mais”, reflete Castilhos. “Nós temos que comemorar que temos saúde, que temos trabalho e que podemos doar um pouco e sempre fazer um pouco mais.”

Dividida em três, a Caravana buscou esse “um pouco mais” nos bairros Panorama, Santo Antônio, Centro, Rui Barbosa, São João, Progresso, Ferroviário, Timbaúva, São Pedro e São Paulo. Tudo parte de uma ação, que segue com ações, e conta com a participação da Paróquia São João Batista, do Movimento de Cursilhos da Cristandade e do Jornal Ibiá, que distribuiu, entre os doadores, pacotes gratuitos de assinaturas do jornal. 34 voluntários participaram da ação no domingo, dentre pessoas de fora e funcionários da Sinoscar.

34 pessoas, dentre voluntários de fora e funcionários da Sinoscar, participaram da atividade

De grão em grão, uma baita diferença!

Muito montenegrino deu exemplo de Solidariedade com “S” maiúsculo neste domingo. Seu Valtonir da Rosa, de 62 anos de idade, que o diga. Desempregado e vendo a quantidade de “bicos” diminuir consideravelmente desde o início da pandemia, ele mesmo precisou recorrer a Assistência Social do Município para garantir o alimento em seu lar. Mas ao ouvir o carro de som da Caravana do Bem pedindo ajuda, não pôde deixar de também fazer sua parte. “Como antes eu ganhei, agora é eu quem vai ajudar”, contou ele, após feita a doação.

Atraindo a atenção com o som e as buzinas, os voluntários foram passando de casa em casa, bem equipados com luvas e máscaras em respeito aos protocolos de distanciamento. Serviu para que a faxineira Lucide de Paula, de 47 anos, garantisse sua doação. Ela voltava do mercado quando viu todo o movimento. “A gente tem que ajudar o próximo. Eu também recebi ajuda enquanto não estava trabalhando, então porque não doar o que está sobrando?”, disse.

Ruas adiante, no mesmo bairro Santo Antônio, a funcionária pública Valéria Porto, 54 anos, trazia o mesmo pensamento. “Tem muita gente necessitada. Para nós, isso não é nada, mas é muito para quem precisa”, destacou. Ela já esperava pronta, com um sorriso no rosto e seu alimento para doar, pela passagem do carro da Sinoscar.

Valéria Porto já estava pronta com a sua doação para quando o carro passasse

VEJA MAIS FOTOS:

Ainda dá tempo de participar!

A campanha não para por aqui. Após a Caravana, os organizadores preparam uma ação para o próximo sábado, dia 6 de maio. A equipe do Jornal Ibiá e membros da Paróquia São João Batista e do Movimento de Cursilhos da Cristandade estarão em mercados da cidade sensibilizando a comunidade sobre o projeto e também recebendo doações de alimentos. O Supermercado Imec, o Mercado Centenário e os Supermercados Via II das ruas Buarque de Macedo e José Luis já são pontos confirmados. Os integrantes também estarão na Praça Rui Barbosa; e interessados ainda podem doar diretamente na Sinoscar ou no Ibiá.

Deixe seu comentário