Padre Claudio Finkler, pároco da igreja, esteve à frente da celebração

Comunidade levou a imagem da santa, que passou por restauração, em procissão até a Cascata neste domingo

Há 33 anos, a comunidade de Maratá leva a imagem de Nossa Senhora de Lourdes, em procissão, da Paróquia São Miguel até o Parque da Cascata. No caminho, histórias de fé são adornadas por flores e embaladas pelas canções e orações.

Ontem foi dia de levar a santa novamente até a gruta, após passar pela manutenção anual. O cortejo saiu às 8h da manhã da igreja, logo após a chuva cessar. A padroeira dos enfermos e doentes estava adornada com véus e rosas, enfeitada pelas senhoras da igreja, que encaram a responsabilidade sobre o sucesso da festa.

A limpeza e o retorque da pintura da estátua ficaram por conta da presidente da Paróquia, Gladis Terezinha Stein, que participa desde as primeiras procissões. Para ela, é uma missão fazer com que tudo saia perfeito. “As pessoas esperam por esse evento. Como Lourdes é a Santa protetora da saúde, é o momento de fazer seus pedidos e agradecimentos”.

A chuva, que caiu desde sábado, colocou em dúvida a realização da procissão. No entanto, logo no início da manhã, a precipitação parou, dando espaço à demonstração de fé da comunidade. Apenas uma mudança foi necessária: a missa foi realizada no pavilhão do Parque da Cascata e, após a celebração, então a santa foi colocada no seu lugar, na gruta.

Para a dona de casa Nelci Kirsten, 63, ornamentar a imagem antes de cada celebração anualmente é um compromisso. “Temos que deixar ela bem bonita para o dia dela”, afirma. A voluntária garante que é emocionante ver o resultado após cada flor ser colocada minuciosamente no véu que adorna a imagem. Ela, que já fez pedidos à Nossa Senhora de Lourdes, conta que é devota da santa e de Nossa Senhora Aparecida, e nunca perdeu nenhuma procissão, desde 1985. “Eu vim em todas, desde a primeira”.

Fé e manutenção das riquezas marataenses
Pároco da Igreja São Miguel, de Maratá, o padre Claudio Finkler conta que a ideia de colocar uma gruta para Nossa Senhora de Lourdes no Parque da Cascata surgiu em 1984 e foi aprovada por unanimidade pela comunidade. “Foi colocado em assembleia essa ideia e católicos, luteranos e membros de outras religiões, todos aprovaram”, recorda.

Segundo ele, na época, o parque estava abandonado e servindo para “usos errados”, então, com a gruta, o local se tornou ambiente de demonstrações religiosas e de lazer para a comunidade. “Para manter e renovar a fé, nós temos sinais piedosos, através de grutas, oratórios, capelas e outros locais de oração fora da igreja. Nós começamos a procurar um local para criar um sinal piedoso e a população sugeriu que fosse na Cascata”, explica o pároco. “Foi uma forma de humanizar o lugar”.

Em 7 de março de 1985, ocorreu a primeira procissão, levando a imagem de Nossa Senhora de Lourdes da igreja até a gruta. Desde então, anualmente, a imagem é retirada para ser limpa, restaurada e, no segundo domingo de fevereiro, é levada em procissão pela comunidade. “Isso nos fortalece no amor a Deus Pai, Criador e ao próximo”, afirma o padre.

O Dia de Lourdes

O dia de Nossa Senhora de Lourdes é comemorado em 11 de fevereiro, quando ela apareceu a Bernadete Soubirous, na gruta de Massabielle, na cidade francesa de Lourdes. O fato ocorreu em 1858 e, até hoje, em todo o mundo, as pessoas oram pedindo à santa saúde, graças e a conversão dos pecadores.

Deixe seu comentário