FOTO: CPERS/DIVULGAÇÃO

Estudantes estão com atividades para fazerem em casa no período

A orientação das escolas é manter os estudantes com atividades durante a suspensão das aulas em função do novo coronavírus. A secretaria estadual de Educação divulgou uma série de orientações para as direções das escolas do Estado, dentre as quais estão as “aulas programadas”: tarefas para os alunos realizarem em casa e entregarem no retorno, “garantindo”, segundo o documento, a contagem de dias letivos.

Nessas aulas, as instituições estaduais foram orientadas a montar o material com base em objetos de conhecimento já abordados anteriormente em sala. Devem possibilitar a pesquisa, a interpretação e a autonomia dos alunos. Segundo a orientação, os professores tiveram a terça e a quarta-feira para montar esses conteúdos.

A suspensão teve início na quinta-feira, 19, e a volta às aulas será no dia 3 de abril, com a entrega das atividades propostas. O registro de frequência do estudante será validado de acordo com o cumprimento dessas obrigações.

Os professores do Estado vão receber material de estudo para formação continuada; e terão um curso online, no site da secretaria, que será disponibilizado a partir do dia 20. A participação dos educadores é obrigatória.

Em primeira ordem, todas as instituições de ensino vão permanecer abertas, com atividades administrativas mantidas de acordo com a organização de cada direção. Há expectativa de que o governo volte atrás nesse ponto, mas não há nada oficial por enquanto.

Nas escolas do Município, a orientação sobre os conteúdos é parecida. Com aulas suspensas a partir dessa quinta-feira, 19, os alunos receberam kits de atividades para realizarem nesses primeiros dias. Quem não retirou o seu, precisa procurar a escola até esta sexta-feira. “Os professores estarão remotamente elaborando atividades e orientando estudos”, explicou Márcia Farias, hoje diretora do Departamento de Educação durante as férias da titular.

A Prefeitura de Montenegro ainda aguarda um posicionamento do Conselho Nacional de Educação sobre o aproveitamento, ou não, dos trabalhos como dias letivos. A partir de segunda-feira, todas as escolas municipais estarão fechadas e com diretores em plantão remoto.

Diretor do Sinodal Progresso, Lório José Schrammel

Sinodal vai usar redes sociais para garantir atividades
No Colégio Sinodal Progresso, o setor administrativo passa a trabalhar apenas na parte da manhã, das 7h às 11h30. À tarde, haverá plantão de recepção para encaminhamentos.

A escola iniciou a suspensão das aulas nesta quinta-feira, 19. A decisão vale até o dia 2 de abril. “Aguardamos uma nova definição a partir do dia 3. Vamos ver como está o cenário”, coloca o diretor, Lório José Schrammel.

Os estudantes da Educação Infantil ao Ensino Médio vão receber atividades através de bilhetes (para os pequenos) e pelas redes sociais da instituição. “Não serão conteúdos novos, mas conteúdos que já foram dados e que serão aprofundados”, explica o diretor.

Os alunos do curso técnico já têm previsão de carga horária à distância, então seguirão estudando de casa através de portal próprio do colégio.

No Instituto de Educação, a coordenação pode acompanhar de perto o andamento dos alunos nas “salas virtuais”. Hoje, apoio pedagógico e setor administrativo trabalham, presencialmente, com equipe reduzida, das 8h às 12h e das 13h às 17h

No São José, tecnologias colocam estudantes em salas de aula virtuais
Desde a terça-feira, 18, e também até o dia 2 de abril, as aulas presenciais no Instituto de Educação São José estão suspensas. Mas os alunos continuam em plena atividade, usando a tecnologia para não terem perdas de conteúdo. Estão, inclusive, fazendo provas e entregando trabalhos.

No horário normal de aula, o estudante acessa sua sala virtual do Google e a plataforma do Positivo ON. Na primeira, ele interage com todos os colegas e com o professor, em tempo real, recebendo os ensinamentos de casa. Na segunda, há toda uma estrutura de conteúdos e atividades que captam até mesmo as áreas de maiores dificuldades de aprendizado do aluno; levando-o para novos conteúdos adaptados à necessidade.

Os alunos já utilizam as plataformas, integradas às aulas presenciais, há alguns anos. A situação atual, de prevenção à contaminação pelo novo coronavírus, está permitindo à instituição fazer funcionar as tecnologias na totalidade.

A diretora do Instituto, Maria Helena Schüler Luft, explica que todo o andamento das atividades segue sendo acompanhado pela coordenação pedagógica, que tem acesso às entregas, aos prazos e ao feedback dos alunos. Os pais, também, estão em poder de todo o cronograma nestes dias de suspensão no atendimento.

As medidas estão atendendo desde os aluninhos da Educação Infantil até o Ensino Médio. Aos pequenos, estão brincadeiras e atividades para serem conduzidas pelos pais para estimular a motricidade e outras competências de dentro de casa. Aos maiores, há até um sistema onde o aluno escaneia a redação escrita a mão para ela ser corrigida por avaliadores que identificam, não apenas erros, mas também a demanda por reforço.

“Se adequar rapidamente à situação tem que ser um proposta da escola”, destaca Maria Helena. “A coordenação rapidamente resolveu a substituição das aulas e alunos e pais aderiram à proposta.” Provas, trabalhos, vídeos, webconferências e hangouts são exemplos de funcionalidades à disposição do estudante dentro das plataformas.

Por hora, os órgãos de educação ainda analisam o aproveitamento das aulas à distância como hora-aula na contagem de dias letivos. Instituições de Ensino Superior já foram autorizadas.

Deixe seu comentário