Entre os presentes, a jovem almeja materiais escolares e uma piscina de plástico

De família humilde e com os pais desempregados, a adolescente nunca teve festa de aniversário

Em uma casa simples, nos fundos de uma residência no bairro Santa Rita, vive a jovem Catiane Pereira Machado, junto dos seus pais. Como qualquer adolescente, ela é cheia de sonhos e planos para o futuro, entre eles, o de ter a primeira festa de aniversário. Prestes a completar 13 anos, a celebração passou a ser um sonho compartilhado por família, já que a garota sofre de epilepsia – uma condição neurológica bastante conhecida por causar convulsões – e enfrenta muitas dificuldades.

De poucas palavras, Catiane é enfática ao dizer o que não pode fazer na festa que tanto sonha. “Um bolo, salgados e refrigerantes”, afirmou a adolescente com brilhos nos olhos que, apesar da timidez, não conteve o sorriso só de imaginar a possibilidade da realização desse sonho no próximo dia 19 de janeiro, quando completa ano. “Eu nunca tive nada, minha mãe e o meu pai não têm condições”, completou.

Matemática é uma das disciplinas favoritas da jovem

Desempregada há cerca de três meses, dona Terezinha de Lurdes Pereira, mãe da adolescente, explica que teve que abandonar o trabalho que tinha por conta das complicações da filha na escola devido à condição neurológica. “Ela tem acompanhamento especial por conta das crises epilépticas e, infelizmente, isso aconteceu várias no ano passado, o que me obrigou abrir mão do emprego para cuidar mais dela”, detalha a dona de casa, que ainda revela outro problema. “Além disso, ela também tem dificuldade em compreender alguns conteúdos do colégio”, completa Teresinha, se referindo à deficiência intelectual da jovem.

Para viver, a família conta com os serviços temporários que o pai da menina encontra, mas não é sempre que aparece, como explica Terezinha. “Não é nada fixo, então nossa situação é difícil, falta quase tudo em casa”, lamenta a dona de casa. “No Natal não tivemos ceia, e da mesma forma foi na virada de ano. Por isso quero muito poder fazer algo para a Catiane” , acrescenta.

Apesar das dificuldades e obstáculos que a jovem montenegrina encontra pelo caminho, a estudante do 5º ano fala da paixão que tem pela escola. “A matéria que eu mais gosto é matemática”, disse Catiane, enquanto mostrava os cadernos com as lições respondidas. “As folhas que sobraram deles [cadernos] vou aproveitar para esse ano, como a mãe disse que não pode comprar outros novos”, explica.

Quando questionada sobre o que desejaria ganhar de presente, Catiane, que ama brincar, mas não tem brinquedos em casa, disparou. “Uma piscina de plástico, boneca e materiais escolares novos, mas o caderno pode ser do Grêmio”, detalhou a menina, que é apaixonada pela cor azul.

Em busca de uma nova oportunidade de emprego
Diante da situação da família, dona Terezinha de Lurdes Pereira se viu obrigada a voltar para o mercado e busca uma nova oportunidade de emprego. Caso consiga, ela conta com o apoio da mãe, que se propõe a cuidar da neta enquanto a filha trabalha.
“Eu tive que pedir demissão do meu último, mas agora tenho mais condições de continuar trabalhando com essa ajuda”, justifica a dona de casa. “Tenho experiência na carteira como auxiliar de cozinha, babá e limpeza geral”, completou, destacando que ofertas de faxinas e doações de cestas básicas também serão bem vindas.

Como ajudar
Para ajudar a jovem Catiane Pereira Machado realizar o sonho de ter a primeira festa de aniversário, os interessados podem contribuir de diversas formas, seja com doações em dinheiro ou com itens de festa de aniversário, como salgadinhos, doces, refringentes e bolo.
Para mais informações, entrar em contato com a mãe da jovem através do contato 51 997907779.

Deixe seu comentário