O Grupo Casa Hotéis se manifestou sobre o caso envolvendo a nutricionista montenegrina Zuraica Pires.Ela teve o WhatsApp clonado após fazer buscas por informações relacionadas ao Hotel Casa da Montanha. O fato ocorreu no último final de semana.

Confira a íntegra da nota recebida pelo Jornal Ibiá:

“O grupo Casa Hotéis informa que não foi hackeado, mas sim que foi vítima de um golpe digital: golpistas criaram perfis falsos no Instagram do Hotel Casa da Montanha e acionam os nossos seguidores se fazendo passar por nosso empreendimento, na tentativa de clonarem seus telefones. É importante esclarecer que nenhum hotel nosso está oferecendo viagens e sorteios nesse momento. O Grupo está tomando todas as providências jurídicas cabíveis e informando sistematicamente sobre este golpe a todos através dos nossos canais oficiais, como redes sociais e central de atendimento.

Telefone da Central: (54) 3295-7575
Redes Sociais oficiais: @casadamontanha e @casahoteis”

Relembre o caso:

A nutricionista Zuraica Pires, de 41 anos, foi vítima de um golpe aplicado por bandidos que clonam contas de usuários do WhatsApp. Vários contatos da lista de Zuraica receberam mensagens pedindo dinheiro. Uma amiga dela, sem suspeitar do golpe, também se tornou vítima ao depositar R$1.500,00 em uma conta bancária.

Zuraica conta que tudo teve início quando acessou o site do Hotel Casa da Montanha, no sábado, 13. Logo depois de visitar a página, ela recebeu uma mensagem no direct do Instagram ofertando uma promoção para concorrer a três diárias de hospedagem.

A mensagem solicitava número de celular e nome. A nutricionista passou o contato de sua clínica, e foi informada que receberia, via SMS, um código numérico e que esse deveria ser informado via Direct. “Como não pedia CPF nem RG, passeio o número pra eles”, conta Zuraica.

Em posse do código, os bandidos clonaram o WhatsApp de Zuraica e começaram a emitir mensagens para os contatos da lista com a seguinte frase: “Preciso realizar um pagamento porém, não estou conseguindo, devido que meu limite diário excedeu. Você consegue fazer para mim? Amanhã sem falta te devolvo o valor”.

No domingo, 14, Zuraica foi acordada com ligações para seu celular pessoal, eram amigos que suspeitaram da mensagem. “Recebi várias ligações”, acrescenta. Ao perceber o que havia ocorrido, a vítima fez um live para informar seus amigos, além disso, enviou mensagens alertando sobre o golpe. Contudo, já era tarde. Uma amiga mais próxima caiu na armadilha.

A mulher não suspeitou do pedido e fez o depósito no valor de R$1.500,00 para uma conta em nome de Aline Santarem – provavelmente identificação falsa usada pelos autores do crime. Quando soube da farsa, a vítima procurou sua agência bancária e descobriu tratar-se de uma conta existente em Brasília. Ela procurou a Polícia Civil e registrou ocorrência.
Zuraica fez registro na Delegacia Online e contatou o WhatsApp. A empresa deu prazo de uma semana para resolver a situação. Enquanto isso, o app foi desinstalado do celular de Zuraica, pois com esse procedimento os bandidos não têm como continuar usando a conta.

Conforme o delegado André Roese, titular da 1ª Delegacia de Polícia de Montenegro, outros casos como esse já chegaram ao conhecimento da Polícia na cidade, mas em geral são encaminhados para a DP das cidades onde fica a conta bancária da pessoa favorecida.

O golpe cresce a cada ano e utiliza-se de sites dos mais variados tipos de empresas.

Deixe seu comentário