Candidato a prefeito de Brochier destaca suas prioridades caso seja eleito

 

Quem é Clausio Brandt?
Clausio Brandt tem 61 anos. Nascido no hospital de Brochier. Inclusive, essa atual Administração fechou esse hospital. Casado com Adriane Hoerle Brandt. Três filhos: Diego, Eduardo e Letícia. Sou empresário do ramo do carvão e moro na Batinga Sul.

Por que o senhor colocou seu nome à disposição da comunidade de Brochier?
Porque Brochier está parado há quatro anos e a gente está tentando mudar esse panorama um pouco. A agricultura parada, não tem muito incentivo. Na Saúde, também. É isso.

O atual vice-prefeito de Brochier é do seu partido. Por que houve a decisão de formar uma coligação com outros partidos para a disputa do pleito deste ano?
Há quatro anos nós coligamos com o PP. Aí foi combinado que na próxima (eleição) o PDT ia ter candidato a prefeito. Fizemos algumas reuniões, onde, dois anos atrás, o atual prefeito (Clauro Josir de Carvalho), nosso concorrente agora, sempre dizia que não seria mais candidato a prefeito. Fomos alimentando essa ideia e preparando já gente para poder ser o sucessor do nosso partido. Chegou uma certa época, agora, há três meses e eles não abriram mão, não cumpriram com a palavra. O PDT não abriu mão e fomos escolhidos dentro do partido para concorrer nessa coligação.

O senhor foi eleito como vereador por quatro vezes. No quê essa experiência pode ajudar o senhor a gerir o Município?
Sim, fomos escolhidos quatro vezes como vereador, (são) 16 anos. (Fui) Três vezes presidente da Câmara. Bastante experiência! A gente sabe ir à Brasília buscar verbas, o que esse atual prefeito não conseguiu trazer nada do partido dele. E a gente tem essa experiência de ir à Brasília e buscar verbas, emendas parlamentares.

Um grande problema no Centro da cidade é a quantidade de caminhos que trafegam na rua Irmãos Brochier. Como solucionar tal questão?
Essa pergunta é importante. Geralmente são os caminhões de Brochier que passam lá. Nós temos dois postos de combustíveis, um na entrada e outro no centro, e todo mundo sabe que os postos de gasolina têm que vender óleo diesel. Claro, vamos sentar depois com a comunidade, com os empresários, com a Câmara de Vereadores. Não sei se vamos fazer mão única, se vamos fazer estacionamento de um lado só. E tentar fazer um projeto para aqueles que não precisam ter que passar mesmo, terem uma rua alternativa. Como? Isso vai sair alguns milhões – essa rua não é tão curta e tem que ser feita uma ponte por cima do arroio de Brochier – então, buscando essas emendas nos nossos deputados. Temos grandes deputados lá do MDB, do PDT e do PT. Inclusive, nesses quatro anos, vieram, mais ou menos, dez milhões (de reais) dos nossos três partidos, enquanto o PP, do atual prefeito, parece que conseguiu 400, 500 mil reais. Aí como é que ele vai conseguir essas emendas?

Sobre as estradas do interior, como o senhor pretende realizar a manutenção delas?
O que está dando certo, a gente deixa. As estradas do interior são boas, a gente concorda. O secretário de Obras é muito bom. Vamos manter o patroleiro que existe lá. E trabalhar com brita. Esse é o segredo do interior. Não tem outra. Chove, bota carga de brita, e as estradas se mantém boas.

Há planos para pavimentar alguns desses trechos?
Sim, inclusive a rua principal, que é do Daer, estadual, há mais de vinte anos que foi asfaltada. Então, temos que tentar verba para que seja lá do Sindicato dos Trabalhadores Rurais e que vá até em cima, na antiga Tanac. Ela tem que ser toda recapeada. Inclusive, claro, com ruas asfaltadas com emendas dos nossos deputados federais. Daqui a dois anos vai ter eleições para presidente e deputados federais, então vai ter dinheiro que vai vir de Brasília. Isso não vai ter custo nenhum para os nossos munícipes. Isso são emendas que vem e a Prefeitura dá um, dois por cento de contrapartida, e isso é de graça. Vamos fazer bastante ruas asfaltadas.

No âmbito da agricultura, a proposta de governo da sua candidatura prevê o estímulo a constituição de microempresas e agroindústrias. Quais tipos de ações são pensadas para realizar esse estímulo?
Claro, na nossa Prefeitura de Brochier, acho que 60, 70% de ICMS é retorno dos colonos. Nós já fizemos visitas, eu e a Heidi, a nossa vice, pelo interior. As estradas estão boas, vamos manter isso. Mas as entradas para tirar carvão, para tirar a lenha, está sendo pouco feito, quase nada. Nisso, nós vamos trabalhar em cima. Os nossos integrados, chiqueirões de porco, aviários, vamos apoiar eles para a construção de novos. No que a Prefeitura se organiza para ajudar eles? Um aviário que vai ser construído, lógico, vai ter financiamento do banco. Funciona em outros municípios como Tupandi e Feliz: a Prefeitura arca com os juros desse empréstimo. Isso tem retorno garantido, é 100% nota. Sai um porco, é nota; sai uma galinha é nota; sai um ovo é nota. E isso, nós da Administração, se ganharmos a eleição, vamos nos comprometer a pagar os juros. Isso funciona em Tupandi e em todos os Municípios, a gente tenta ir e procurar a lei, como eles fizeram. Às vezes, acrescentamos mais alguma coisa. Mas a princípio seria isso.

Há também, no seu plano de governo, a intenção de se adquirir uma área de terras para a implantação de um distrito industrial. Onde esse distrito poderia estar localizado? Como atrair empresas para se instalar nele?
Pois é. Já na Administração anterior, do senhor Romeu Bauer, foi comprada uma área de terra na Reta Grande para instalar (o distrito industrial). Essa Administração atual levou três anos e meio para limpar a terra. Agora, imagino que seja mais quatro, cinco anos, para trazer uma empresa. São promessas que eles não cumprem.

Mas como o senhor pretende buscar empresas para se instalarem nele?
Nós temos pessoas que estão trabalhando pra isso. A gente vai dar incentivo a pequenas empresas, de 30, 40 funcionários. Empresa grande, não adianta vir pra Brochier porque o nosso Município é pequeno. Daqui a pouco, numa empresa de duzentas pessoas tu coloca cinco empresas de quarenta pessoas e são duzentas. Essa grande, daqui a pouco, vai embora e tu não tem mais nada. Mas se vai uma ou duas pequenas embora, tu continua. O que aconteceu há, sei lá, vinte anos atrás quando a Schmidt Irmãos foi embora com quatrocentos, quinhentos funcionários? Brochier ficou parado nesses anos todos. Então, a nossa ideia é trazer pequenas empresas e dar todo o incentivo.

Candidato, entre suas propostas está a de criar o programa “Brochier Conectada”, com a disponibilização de redes de internet sem fio gratuitas em pontos da cidade e do interior. Por que fazer tal investimento?
É importante porque, hoje, eu moro no interior e a gente tem uma empresa de carvão, e muitas vezes a internet não pega ou cai. Temos que trazer esse recurso. Deve melhorar bastante. Mais no interior ainda, pro lado de (Novo) Paris, não pega internet nenhuma. Vamos conversar com essas empresas (de internet) e vamos melhorar, e muito, essa ferramenta que hoje não substitui mais nada.

Sobre as vagas da Educação Infantil, como aumentá-las?
O espaço lá, não sei se permite ampliar na Sapatinho de Cristal. Não sei como está lá, a gente não faz parte da Administração. Nós fizemos coligação, mas nunca fomos chamados para fazer reunião nenhuma nesses quatro anos. A princípio, são três pessoas – e a gente não quer dizer quem –, mas quem menos manda lá é o atual prefeito. Se a gente ganhar, depois, a gente vai dar uma olhada diferenciada e, se precisar construir outra, a gente tem onde buscar a nível federal. Nós temos deputados bons dos três partidos. Se precisar construir uma nova, a gente constrói.

Desses assuntos sobre os quais falamos, quais o senhor elenca como prioridades de seu governo?
Trazer empresas, emprego. No interior, algumas pessoas estão desempregadas, mas principalmente na cidade. Emprego para Brochier. O comércio ganha com isso, a Administração ganha com isso. A nossa principal meta é trazer empregos. A Schmidt Irmãos foi embora há mais de vinte anos e nunca mais alguém se interessou em trazer empresas para alavancar o nosso pessoal para não sair. Levanta às 5h para ir à Poço das Antas para começar às 7h. Se nós tivermos empresa, levando às 6h30min, “puf”, e está lá na empresa para trabalhar. De noite, é a mesma coisa. Sai às 7h e chega às 21h em casa. É mais ou menos, uma hora e meia, duas horas, que estão perdendo da sua família, que podiam estar em casa e se nós tivermos empresa em Brochier, isso tudo fica mais fácil, facilita mais.

O senhor quer deixar uma mensagem final aos eleitores de Brochier?
Quero agradecer à coligação PDT, MDB e PT. Vamos fazer de tudo para fazer uma administração para todos, não para uma parte dos nossos munícipes. E quero pedir votos. Dia 15 de novembro votem Clausio e Heidi, 12. E acompanhem os nossos candidatos a vereadores, também, o que é muito importante.

Deixe seu comentário