Na corrida com o jornal, participantes foram divididos em duplas. Precisavam chegar ao fim da linha sem pisar no chão, apenas no papel. Um desafio e tanto

Participantes competiram e aprenderam juntos no evento do último sábado

Diversão, integração e lições de vida. Esses foram os nortes de mais uma edição da Gincana Jogos Rurais que, de volta à Montenegro, ocorreu na Comunidade Evangélica de Campo do Meio durante todo o último sábado, dia 14 de dezembro. A atividade é uma organização da Fetag, a Federação dos Trabalhadores na Agricultura do RS, com sua comissão de jovens. Reuniu cerca de 60 participantes que, divididos em equipes, competiram em 20 brincadeiras.

“Mas é relacionado não só a competir e também cooperar”, ressalta Jaciara Maria Müller, coordenadora da comissão. “Afinal, na vida a gente precisa muito mais cooperar do que competir.”

E foi com esse ensinamento em mente que o pessoal disputou as mais diversas modalidades. De futebol, game de perguntas e corrida no jornal, até concurso de rachar lenha e um inusitado circuito onde três participantes “calçavam” uma tábua de madeira e precisavam, mais rápido que os competidores, alcançar a linha de chegada.

“É divertido e bom para entrosar a comunidade”, definiu dona Almerinda de Vargas, brincando na gincana aos 68 anos de idade. É que, apesar de ser um evento dos jovens da Federação, a organização incentiva que os participantes tragam a família toda para o jogo. Então, lá foi ela, junto do esposo, filhos e netas. Vinda de São Sebastião do Caí, foi a competidora destacada pela equipe para a brincadeira de identificar tipos de chá só através do olfato. “Eu achei difícil. A gente se engana”, comentou ela, depois da partida.

Dona Almerinda, vendada, enfrentou o desafio de identificar tipos de chás só a partir do cheiro

Uma aula de cooperativismo

Cada ano, a Gincana Jogos Rurais acontece num lugar. Em 2017 já tinha sido em Montenegro, no ano passado foi em Tupandi. Neste ano, era para ter sido em Ivoti, mas a comissão verificou que a comunidade rural do município é mais restrita, então trouxe o evento de volta ao interior montenegrino.

Modalidade, ainda sem nome, testou a coordenação dos participantes “calçando” uma tábua

Doze dos municípios mais atuantes da Federação se fizeram presentes na atividade deste final de semana, tudo custeado – até mesmo o almoço – pela venda de uma rifa no decorrer do ano. Das cinco equipes, os dois primeiros lugares receberam medalhas. Os primeiros, ainda ganharam sucos produzidos na propriedade de um dos integrantes da comissão; e os segundos, sacos de carvão produzidos na propriedade de um segundo integrante. Uma aula de cooperativismo.

Já tentou abrir uma bala sem dobrar os cotovelos? O pessoal, sim. Diversão garantida!

Deixe seu comentário