As mudanças são vistas fora e dentro do quartel dos Bombeiros, que fica localizado na AV. Ernesto Popp

AQUISIÇÕES qualificam os serviços prestados às cidades da região

Há alguns meses, quem passa em frente ao quartel do Corpo de Bombeiros de Montenegro nota que o prédio está diferente: a pintura foi renovada, a área de recepção ao público repaginada, na garagem há mais veículos. E não para por aí. Na parte interna, as melhorias são ainda mais visíveis. Tanto na questão estrutural quanto no que diz respeito aos equipamentos de socorro e de proteção individual. Do segundo semestre de 2019 até agosto deste ano, foram investidos mais R$ 440 mil em adequações essenciais para uma prestação de serviços segura e qualificada. Grande parte do valor vem do Fundo Municipal de Reaparelhamento do Corpo De Bombeiros (Funrebom)

Nessa segunda-feira, 17, o comandante do Corpo de Bombeiros de Montenegro, Glaiton Contreira, completou 16 meses à frente da unidade. Nesse período, o gestor investiu no diálogo e aproximação com o Poder Público municipal, para conseguir executar as metas de melhoria para o quartel local. Uma das primeiras ações como comandante foi promover uma reunião com o chefe do Executivo, Kadu Müller, e outros representantes da Administração. O objetivo foi mostrar in loco as demandas da corporação. “Trouxe as autoridades aqui, mostrei a realidade, aproveitei e convidei fornecedores para fazer demonstração técnica dos produtos e, com isso, termos mais um argumento de convencimento sobre a necessidade de compra”, explica o comandante Contreira.

Para o oficial, a iniciativa deu certo. “Faltava diálogo”, avalia o bombeiro. Desde então, os projetos de aquisição de equipamentos com verbas do Funrebom passaram a tramitar com mais agilidade junto à Prefeitura e, com isso, muita coisa foi adquirida nos últimos meses. “Foram criados novos ritos de processos, montei uma equipe de logística para lidar diretamente com a Prefeitura. O trâmite está sendo bem mais fácil, porque tanto nós nos ajustamos ao sistema, como eles entenderam a nossa necessidade e que nossos equipamentos são materiais diferentes, que não se compra em qualquer comércio”, acrescenta.

“Não está 100%, mas está quase”

Quem tem mais tempo na “casa”, como o soldado André Luís Oliveira e o sargento Ângelo de Lima Justo – há mais de 30 anos na corporação -, sabe das dificuldades para ter acesso ao Funrebom e, por isso, comemora a nova fase. “A gente chega lá, consegue conversar, liga, tira dúvidas e o processo anda 200% mais rápido que antes. A relação com eles está muito boa. A evolução aqui é grande, a gente não tinha nada, o material era completamente defasado”, conta André Luís.

“O quartel é nossa segunda casa, temos que ter estrutura para trabalhar. O visual já mudou na chegada, está reestruturado, iluminado, bonito. Dentro, quase tudo é novo, ar condicionado. Não está 100%, mas está quase ”, diz o sargento Ângelo.
São muitas as mudanças no quartel. Entre elas, destacam-se investimentos em materiais de combate a incêndio (cerca de R$ 320 mil); de busca, salvamento e resgate (quase R$ 15 mil); fardamento (pouco mais R$ 24mil); móveis para cozinha e eletrodomésticos ( em torno de R$ 15 mil), num total de R$ 441 mil.

Projetos: reequipagem e reestruturação

O projeto de reequipagem e reestruturação do quartel dos Bombeiros de Montenegro é dividido em etapas. A primeira parte contempla ações de pintura, interna e externa, e já foi concluída. Na segunda fase, estão revisão elétrica, ampliação das garagens, reforma do telhado e o cercamento, que deve ser feito em blocos de concreto. A terceira parte prevê a reforma da torre de treinamento, para que possa ser usada com mais segurança.

Reforma da torre e das garagens para veículos de grande porte também estão previstas

Além disso, o quartel deve adotar um sistema de videomonitoramento, com instalação de câmeras externas. Um portão eletrônico, com interfone, também deve ser instalado para atender a população. “Temos ainda a construção de uma garagem para a carreta, que é uma das aquisições mais recentes”, lembra o comandante Contreira.

Relação de materiais adquiridos
– Combate a incêndio
– Botas
– Capacetes
– Proporcionador de espuma
– Lanternas
– Compressor
– Armários para roupas de combate

Salvamento, busca e resgate
– Serra sabre
– Calçados de estabilização
– Desfibrilador
– Capacetes de salvamento em altura
– Mochilas para resgate em altura
– Manequim de treinamento

Fardamento/material de escritório
– Coturnos
– Roupas impermeáveis
– Camisetas
– Calças
– Gandola
– Cadeiras giratórias
– Mesas
– Armários
– Estantes de aço

Móveis e eletrodomésticos
– Balcões duplo para pia
– Armários aéreos
– Fogão industrial
– Refrigerador duplex
– Forno micro-ondas

Aumento da equipe de resgate e efetivos

Um dos planos que mais motivam o comandante, mesmo em meio ao déficit de efetivo, é o de ampliar a equipe de resgate e salvamentos. Para tanto, o município fez a doação de uma ambulância, que pertencia ao Samu, aos bombeiros. O veículo aguarda trâmites burocráticos para ser colocado em uso. “Vai ser muito importante porque a nossa grande demanda hoje é acidente”, explica Contreira. “Falta pouco para que possamos começar a usar esse veículo”, acrescenta.

Novos fardamentos de combate a incêndios integram as recentes aquisições do Corpo de Bombeiros

O acréscimo da “mão de obra” é outro ponto a ser trabalhado para melhoria da prestação de atendimentos e redução do desgaste físico dos bombeiros. “É difícil aumentar o efetivo, o Estado todo está sem gente. Precisamos de, pelo menos, mais um bombeiro em cada turno. O serviço é 24h, mas, no período da pandemia, chegam a fazer 48h”.

Equipamentos adequados contribuem para agilidade no resgate
Comandante Glaiton Contreira

Ampliação dos canais de comunicação
Hoje, o caminhão sai da cidade e, em poucos quilômetros, já não tem sinal de rádio nem de telefone, falha essa, segundo o comandante Contreira, que faz a equipe trabalhar em um novo projeto de comunicação. “O sistema militar de comunicação padrão é por rádio. É importante essa comunicação, seja para pedir apoio ou narrar a situação da ocorrência”, informa o oficial.

“Queremos ter cobertura de rádio em todas as cidades de atuação: Tupandi, Maratá, Brochier, Pareci Novo, São José do Sul, Salvador do Sul, São Pedro da Serra e Harmonia”, projeta. O processo começou a tramitar neste mês e os avanços dão esperança de que a antena para distribuição do sinal seja instalada até o final do ano. “A maior dificuldade é a liberação de um espaço adequado. Pretendemos colocar a antena no Morro São João, mas isso depende de uma concessão. A prefeitura ficou de verificar o trâmite burocrático”, detalha Contreira. “Se ficar para o próximo ano, é possível que tenhamos de reiniciar o processo”, comenta, ao lembrar das mudanças que podem ocorrer no governo municipal, em função das eleições de novembro.

Sobre a necessidade de investimentos e melhorias, o comandante justifica: “Trabalhamos com emergência e urgência, precisamos estar bem equipados. Imagina se uma pessoa perde a vida porque o bombeiro não tem um desencarcerador – equipamento usado para retirar pessoas presas em ferragens -, por exemplo? O que levaria uma hora ou duas, com o equipamento, pode ser feito em 15 minutos”, explica o comandante.

Deixe seu comentário