Com o raleio, citricultor garante o melhor desenvolvimento das frutas que ficam nas árvores. A bergamotinha colhida ainda pode ser comercializada para a extração do óleo

Expectativa é aquisição de 20 mil toneladas da bergamotinha verde no Vale do Caí

Faz alguns anos que os preços praticados na compra da bergamotinha verde vêm desagradando os produtores. Em fevereiro, por exemplo, a caixa da fruta proveniente do raleio dos pomares estava sendo vendida por cerca de R$ 5,00, com 27 quilos, o que era pouco atrativo. Agora, ainda meses antes da nova safra começar, a principal compradora do item garante boas novas. Sem revelar preços por questão competitiva, a Biocitrus adianta que o valor praticado voltará a valer a pena ao citricultor.

“A empresa está investindo em tecnologia e aperfeiçoando processos, o que, naturalmente, traz mais ganhos também ao citricultor. Nós queremos repassar nossas melhorias ao produtor da nossa matéria prima”, destaca o responsável pelo setor de compras da organização, Michel Kussler. “É para que ele entenda que também é valorizado nessa cadeia.”

A expectativa da Biocitrus é processar 20 mil toneladas de bergamotinha verde durante a safra 2020, priorizando a compra dos produtores do Vale do Caí, com as variedades Caí, Pareci e Montenegrina.

O período de aquisições da fruta começa em 15 de janeiro e segue até abril, início de maio. O raleio é um processo obrigatório nos pomares, pois consiste na retirada do excesso de frutas das árvores para permitir o bom desenvolvimento das demais.

A bergamotinha proveniente dessa etapa, ainda verde, é a principal matéria prima da Biocitrus, que extrai o óleo essencial da fruta para ser revendido a indústrias de perfumaria, cosmética, farmacêutica, bebida e limpeza. Têm produtos no mundo todo fabricados com óleo proveniente da empresa montenegrina.

BAIXA SUPERADA
Responsável pelas compras, Kussler reconhece que o preço estava defasado nos últimos anos. Ele ressalta, porém, que é o recente investimento na indústria local, com o potencial aumento da produção, que está mudando o jogo e abrindo a possibilidade de valorizar mais o citricultor dentro da empresa, que é a maior processadora de mandarina verde do país.

Exemplo disso é o foco da organização em se tornar uma indústria mais sustentável e com menos impacto ao meio ambiente.
Focada neste aspecto para 2020, a Biocitrus investiu em nova caldeira a gás, que emite menos poluentes na atmosfera; na geração de energia fotovoltaica e em um moderno sistema de tratamento de efluentes na planta.

Os produtores interessados podem entrar em contato com a empresa pelo telefone (51) 997.099.116; ou diretamente na sede, que fica na rodovia ERS-124, número 1.530, em Montenegro.

Deixe seu comentário