Foto: BM

O assassino de quatro pessoas da mesma família estava tranquilo no momento da sua prisão na tarde deste sábado, 12, em uma casa na rua Felipe Panitz, bairro São Paulo, em Montenegro. O homem concedeu entrevista ao vereador Talis Ferreira, que possuiu uma página de notícias policiais no Facebook, enquanto aguardava para realizar exame  de lesão corporal no Hospital Montenegro.

Chama a atenção a frieza dele ao falar sobre o crime. Ele disse que as brigas com os vizinhos eram fequentes. Em função das desavenças, ele estava andando com uma faca na cintura, arma usada nos assassinatos. “Eu pensei ‘vou terminar com esta anarquia’, há quanto tempo vem essa perseguição? Aí comecei a furar ele, pensei ‘tão me incomodando, me perseguindo direto’”.

“Não matei todo mundo. Fiquei com pena de um magrão, mesmo que tenha dito que ia dar um talho na minha cara. Matei quatro. Fiz de cabeça quente”, declarou, sem demonstrar muito arrependimento.

Desde quarta-feira, dia dos homicídios, o homem vinha se escondendo. Ele veio a pé até a casa dos parentes e disse para eles que estava com muita fome. De acordo com um tio dele, Deoclides afirmou que iria se entregar. Se preparava para comer quando os policiais militares chegaram ao local para cumprir um mandado de prisão.

A dona de casa Mirian Ribeiro Pereira, de 52 anos, e os filhos Valquíria, de 30; Valéria, de 28; e João Paulo Pereira Borges, de 21, foram mortos com golpes de faca.
As mulheres foram assassinadas no pátio da casa. O rapaz enquanto tentava segurar a porta para impedir a entrada no homem. Um adolescente e duas crianças conseguiram escapar do ataque.

 

Deixe seu comentário