REATIVAÇÃO da Festa da Laranja foi o assunto discutido em reunião no plenário da Câmara dos Vereadores, na manhã desta quinta-feira

A pretensão é formalizar o evento em lei municipal, passando a ser realizado a cada dois anos em Montenegro

São Sebastião do Caí tem a Festa da Bergamota, Brochier tem a Expofesta, em Maratá tem Oktoberfest, em Bom Princípio tem a Festa do Moranguinho… e em Montenegro? O município é um dos poucos no Vale do Caí que não possui uma festa tradicional. Ontem pela manhã, membros da Amarti (Associação Montenegrina de Artistas) se reuniram com vereadores e representantes do governo, no plenário da Câmara, para discutir a possibilidade de resgatar a Festa da Laranja – único evento que foi realizado por três anos consecutivos na cidade, na década de 60.

A presidente da Amarti, Andrisa Mariano, apresentou a proposta, que afirma ter sido elaborado com a ajuda de várias instituições que apóiam a ideia, como Fundarte, ACI, Emater, entre outras. Ela afirma que a última Festa da Laranja foi em 1964 e que Montenegro precisa ter um evento que sirva de identidade para a cidade. “Queremos resgatá-la. A ideia inicial era que fosse feita ainda em 2017, mas como já tem a festa de Campo do Meio (da Bergamota Montenegrina), pensamos em fazer no ano que vem”, diz.
Andrisa afirma que a média de público das últimas festas que ocorreram no município, como a Expomonte, foi de 70 mil pessoas. O evento seria realizado no Parque Centenário em junho ou em julho. Leonardo Appel, diretor municipal de Cultura, afirmou que a melhor solução seria transformar o projeto em lei municipal e se colocou à disposição para ajudar no processo.

Durante a reunião, os vereadores Joel Kerber (PP), Cristiano Braatz (PMDB) e Valdeci Alves de Castro (PSB) também se comprometeram em apoiar o projeto, caso ele chegue à votação na Câmara dos Vereadores.

Deixe seu comentário