Jeferson, Izabelle e Steffany apresentaram quatro períodos pelos quais passou o Morro São João na história

Mostra escolar é resultado de projetos interdisciplinares

A Escola Municipal de Ensino Fundamental Lena Rozi da Rocha Pithan, no Senai, realizou ontem sua 2ª Mostra Científica, com trabalhos interdisciplinares das sete turmas de 1º a 8º ano. A atividade defende a tese da escola como espaço de aprendizado além do ler e escrever. Os temas navegaram por ciências variadas, e foram coordenados em sala por professores independente da disciplina que lecionam.

Turma de Nicole, Miguel e Lívia testaram plantio de feijão em quatro solos

Dois bons exemplos são o projeto “Celular na Sala de Aula”, conduzido pela professora de História; enquanto a docente de Matemática orientou o tema “Violência na Escola”. Neste segundo caso, a elaboração de gráficos a partir de estatísticas da polícia e depoimentos dos alunos não deixou o trabalho se afastar das Ciências Exatas.

O diretor Cesar Amaral salientou que os temas surgiram a partir da perturbação das crianças. “Geralmente, o projeto parte de uma pergunta problema”, assinala. Foi assim que os alunos da professora Maria Regina Frömming criaram o “Morro São João – Nosso Gigante”.

Após ouvirem o conto “O Gigante de Pedra”, adaptação da escritora Tatiana Espírito Santo, os jovens do 1º ano queriam saber mais sobre o símbolo de Montenegro. Jeferson da Silva, Izabelle Maciel e Steffany Eduarda Pinto do Silva, todos 7 anos, apresentavam quatro fases passadas. Desde a presença de índios até a retirada das moradias irregulares.

Em outro estande, Nicole Nascimento Ventura, 10; Miguel da Silva Bragamonte, 7; e Lívia da Silva Dutra, 8; explicavam “Os Diferentes Tipos de Solos”. O plantio de feijão em copos revelou que o Humoso e o Orgânico são os mais férteis. Miguel lembra que tudo começou após ouvirem a fábula “João e o Pé de Feijão”. “Perguntamos em que solo que ele plantou para crescer tão rápido”, explicou.

 

Deixe seu comentário