Alunos do 1º e do 2º Ano fizeram robôs e brinquedos a partir de material descartado

Dia da Escola do Campo focou nas realidades daqueles jovens do interior

Os alunos da Escola Estadual de Ensino Médio São José do Maratá – em São José do Sul – corresponderam às expectativas, e no Dia da Escola do Campo apresentaram 41 projetos criativos e com olhos no futuro. Eles abordaram temas ligados ao seu cotidiano, discorreram sobre Meio Ambiente em consonância com uma vida sustentável, o valor do homem e da mulher do campo, adolescência e seus conflitos, bullyng.

Alunos do 1º e do 2º Ano explicavam seu projeto de robótica

A sexta-feira, dia 4, foi de corredores tomados de familiares orgulhosos e atentos. Motivo para a euforia da gurizada do 1º e do 2º Ano do Fundamental em apresentar os passos do seu projeto ‘Robótica Sustentável: do Lixo à Educação Tecnológica’. O cerne do estudo foi a construção de robôs e brinquedos a partir de materiais reciclados.

Carrinho de lomba foi apenas uma das construções do 3º Ano com material reciclado

Pois os colegas do 3º Ano foram na mesma direção, com criações a partir daquilo que seria jogado fora. A ideia do ‘Brincando, Aprendendo e se Divertindo’ surgiu depois que a turma assistiu o filme Toy Story 4 e viram a personagem Bonnie fazer um brinquedo usando garfinho de plástico. Então construiram em sala os tradicionais pé-de-lata e carrinho de lomba, além de outros.

O diretor Júlio Ricardo Hoerlle explicou que para envolver os alunos foi preciso considerar o contexto onde vivem. E um bom exemplo disto é o projeto do 4º e do 5º Ano ‘O Gosto e o Encantamento pela Lidas do Campo’. A professora Nelci Terezinha da Silva observou que quase 100% dos estudantes são da Zona Rural, embora não apresentem interesse em permanecer ali na terra. Então ela propôs um resgate, tanto da beleza da região, quanto da importância que os agricultores têm à coletividade.

Os alunos fizeram visitas a propriedades, o que oportunizou plantarem 265 pés de Aipim e receber uma estufa onde cultivarão hortaliças. O projeto é multidisciplinar, com a Matemática presente através do banco da terra, criado para que possam vender suas colheitas. A Música selou seu Dia da Escola do Campo, com a apresentação de uma coreografia para a canção Mastigando Água, da dupla Jorge e Mateus (capa) que fala sobre o respeito ao trabalhador rural.

Projeto do 4º e do 5º Ano valoriza o trabalhador rural e o campo

Energia limpa e pouco agressiva à natureza

Os adolescentes do Ensino Médio estão às portas da faculdade e da vida profissional, então seus projetos tiveram focos mais técnicos. As meninas do 3º Ano do Médio – Pamela Müller, Luiza Martins Quadrado e Brenda Oliveira – sugerem energia eólica e aquecimento solar nas residências. Com um moinho de vento que aciona um dínamo energizavam a bateria para acender lâmpadas e aparelhos eletrodomésticos.

Brenda mostra o sistema para criação de energia usando a força do vento

Na outra ponta do estande, mostravam um captador de energia solar feito com garrafas pets – como condensador – e caixas de leite longa vida – como armazenador. “É que elas têm Silício”, referia-se Luíza a respeito do lado interno das embalagens. A simplicidade está na água fria entrar por baixo, esquentar e ação química subir e retornar ao reservatório. “Meu pai tem aviário, e poderíamos usar essa água para limpar (após a retirada da cada lote criado)”, projetou Brenda.

Deixe seu comentário