Fonte:Detran/RS

Um levantamento realizado pelo DetranRS a partir do cruzamento de dados da Secretaria da Segurança Pública (SSP) sobre acidentes de trânsito com morte em 2019 e a base de resultados dos testes de alcoolemia feitos pelo Instituto-Geral de Perícia (IGP) revelou um cenário alarmante no Estado. O estudo identificou que 37% das vítimas (232) que estavam na direção do veículo tinham álcool no sangue no momento do acidente.

Para traçar um perfil, o DetranRS analisou somente os condutores mortos em acidentes, no total de 624 entre motoristas de veículos quatro rodas e motociclistas, excluindo-se caroneiros, pedestres, ciclistas, carroceiros – o conjunto de vítimas para as quais foi realizado teste de alcoolemia pelo IGP chega a 1.026, em 955 acidente fatais.

O percentual de mortos com presença de álcool no sangue foi maior entre motoristas de veículos de quatro rodas, chegando a 41% (142) de um total de 348 vítimas. Entre os 276 motociclistas mortos e testados, o percentual de alcoolemia foi de 33% (90).

Observou-se presença predominante de homens entre os condutores mortos com álcool no sangue, com proporção que chega a 97% (225) do total (232). O nível elevado do índice ganha ainda mais destaque considerando-se que nos acidentes em que não havia álcool envolvido, os homens representaram 79% das vítimas. Jovens entre 21 e 39 anos têm o maior percentual de alcoolizados entre os mortos em acidentes, chegando a 54%, índice também elevado, já que nos acidentes sem a presença de álcool eles foram 37%.

Fonte:Detran/RS

Embora o estudo atual analise somente condutores de veículos, dados divulgados no ano passado sobre a acidentalidade de 2018 apontaram que a situação é similar também entre pedestres e ciclistas. Naquele ano, 45,9% dos pedestres vítimas de acidentes de trânsito tinham álcool no sangue. Entre os ciclistas mortos que também apresentavam condição de alcoolemia, o percentual chegou a 42,1%.

 

Fonte:Detran/RS

Deixe seu comentário